“Não existe internet 100% segura. Mas, uso seguro”, diz Demi Getschko

No Dia da Internet Segura, comemorado hoje (07) no Brasil, diretor do NIC.br ressalta a importância da união entre entidades e empresas a fim de disseminar melhores práticas para cidadania e segurança digital na rede. Ministério Público Federal também age na causa e ressalta atuação no combate ao cibercrime: “A internet nunca foi e não será uma terra sem lei”

Compartilhar:

Em 7 de fevereiro, o Dia da Internet Segura 2023 celebra a sua 20ª edição global e a 15ª realizada no Brasil. A data visa fomentar iniciativas para ampliar a conscientização sobre a proteção da internet e segurança digital dos usuários.

 

“A web é um órgão móvel, nunca será 100% segura. Mas isso não quer dizer que devemos renunciar à proteção. O que é segura é a forma de uso pautada em melhores práticas. Isso sim devemos propagar para todos, entregando recursos e conhecimento para uso mais consciente”, diz Demi Getschko, diretor-presidente do NIC.br, durante live promovida hoje (7).

 

Segundo o executivo, a busca de órgãos como o NIC.br é ampliar cada vez mais a atuação na promoção do uso seguro, consciente e responsável da rede, de forma a que um número maior de usuários seja beneficiado. “Uma iniciativa como o Dia da Internet Segura vem ao encontro da missão do NIC.br, por isso é uma satisfação fazer parte, por tantos anos, da organização da edição brasileira desse evento global, que une atores de diferentes países em prol da mesma causa”, comenta.

 

Sob o tema “Unidos para uma Internet Mais Positiva”, o evento no formato híbrido reuniu lideranças de várias entidades e empresas de tecnologia para discutir desafios e caminhos para a cidade e segurança digital no Brasil. Demi Getschko também reforçou a importância de parcerias entre entidades e empresas de tecnologia para disseminar as melhores práticas de uso seguro da rede.

 

“O cibercrime se modernizou com mais velocidade na internet, mas o Ministério Público Federal, junto aos parceiros e provedores, também está se modernizando e cada vez mais capacitado a combater esses crimes”, destaca a procuradora da República Priscila Costa Schreiner, coordenadora do Grupo de Combate aos Crimes Cibernéticos do Ministério Público Federal.

 

Segundo Priscila, o MPF tem se especializado em inovações tecnológicas na luta contra a criminalidade cibernética, com uso de Inteligência Artificial e Internet das Coisas a fim de reduzir a impunidade no mundo digital. “Contra evidências não há fuga. Estamos atentos às tendências e nos capacitando. Além de nos pautarmos na prevenção, disseminando informações aos usuários, também atuamos forte no combate. A internet nunca foi e não será uma terra sem lei”, completa.

 

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Destaques

Comissão vota projeto que regulamenta uso de Inteligência Artificial no Brasil

Prevista para entrar em votação nesta quarta-feira, parlamentares, especialistas e representantes da sociedade civil defenderam a aprovação do projeto de...
Security Report | Destaques

O mundo está preparado para as transformações da IA?

Durante as apresentações do re:Inforce 2024, os executivos da AWS foram chamados a falar das mais recentes transformações relacionadas à...
Security Report | Destaques

Cultura de Segurança é passo essencial para elevar a maturidade, diz AWS

O evento re:Inforce 2024 iniciou nesta terça-feira (11) na Filadélfia, com o CISO da companhia, Chris Betz, apresentando as novas...
Security Report | Destaques

Drogaria Araujo supera desafios de Gestão de Vulnerabilidades

A companhia contou com apoio de Tenable e ShieldSec em jornada tecnológica. Uma das necessidades respondidas pela parceria era garantir...