IA Generativa: Qual o papel da tecnologia embarcada em Cyber?

Diante da tendência da Inteligência Artificial Generativa como copiloto das operações criminosas, a consultoria Deloitte recomendou aos líderes de Cyber Security remodelar suas estratégias em favor de embarcar a tecnologia e reequilibrar o jogo, principalmente na análise e interpretação dos dados de proteção. O tema foi destaque durante os debates do Security Leaders Brasília deste ano, e também estará presente no palco da edição em Belo Horizonte

Compartilhar:

A chegada da Inteligência Artificial Generativa levou a comunidade de CISOs e profissionais de Segurança da Informação a aumentarem sua cautela com a tecnologia emergente, na preocupação do que ela poderia significar em termos de melhora nas atividades dos cibercriminosos. Todavia, a mesma ferramenta também pode ser usada em favor da SI, incluindo-a em diversas tarefas do setor para colocar as empresas à frente dos agentes hostis.

 

Essa conclusão foi oferecida pela consultoria Deloitte, em seu “CISO’s Guide to Generative AI”, publicado este ano. Segundo o estudo, os gestores de Cyber Security estão monitorando cada vez mais os usos maliciosos da IA Generativa desde que ela chegou ao mercado, com o ChatGPT. Alguns desses usos mais preocupantes aos líderes são a exposição de novas vulnerabilidades Zero Day, vazamentos de dados e desinformação via deepfakes.

 

“Os líderes de Cyber estão certos em se preocuparem com como os agentes hostis podem usar a IA Generativa. Mas eles também precisam estar otimistas que, por meio de abordagem e governança corretas, a Inteligência Artificial pode ajudar uma organização a fortalecer sua postura cibernética, superar os desafios de talento e criar roteiros para detecção e resposta a ameaças”, prossegue a análise.

 

O tema de IA embarcada nas estratégias de Cibersegurança chegou também às rodas de debates do Security Leaders em Brasília. O Chefe de TI do Metrô do Distrito Federal, Rodrigo Pontes, concorda com o posicionamento da consultoria ao afirmar, no painel sobre o tema, que a adoção de novas linguagens de IA será essencial para um ganho de produtividade das corporações de maneira geral e dos times de Cyber, em específico.

 

“Uma das grandes dores do profissional de SI é analisar milhares de logs registrados por cada uma das soluções de proteção. Ao mesmo tempo, recebemos a influência dos próprios profissionais, adotando a ferramenta em suas vidas cotidianas. Neste momento, temos as informações, mas precisamos de ajuda na hora de interpretá-las, e essa IA que estamos usando pode ser muito importante nisso”, explicou o profissional.

 

O Diretor de Privacidade e SI do Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Leonardo Ferreira, também seguiu na mesma linha, mas ressalta que, apesar de todos os benefícios que a tecnologia pode trazer, ainda será necessário capacitar mais os times em hard skills e soft skills, para, ao mesmo tempo, compreenderem as potencialidades da IA Generativa e orientarem as melhores decisões.

 

Com esse objetivo, Ferreira cita algumas parcerias seladas pelo Ministério com o mundo acadêmico em favor de iniciar a formação dos futuros profissionais já nos primeiros anos de estudo na categoria. Isso inclui acordos com a Universidade de Brasília para pesquisa e inovação em IA, visando preparar mestres e doutores na disseminação desse conhecimento em organizações públicas e privadas.

 

A ideia, segundo a percepção dos líderes de Segurança, é que a Inteligência Artificial atue como um orquestrador de dados em favor dos objetivos de proteção. Todavia, a presença do fator humano ainda será essencial por um tempo, definindo os usos positivos e negativos da tecnologia. Se os cibercriminosos já estão em processo de embarcação da tecnologia, é missão dos CISOs se abrirem a essas disrupções e alinhá-las ao seu trabalho.

 

“O objetivo da IA generativa é nos dar esse ganho operacional a partir da interpretação mais rápida dos dados disponíveis. Apesar disso, a decisão final ainda deve recair sobre o ser humano, mesmo que essa decisão inicial se desenrole em outras decisões automáticas”, encerrou Pontes.

 

O tema segue em destaque na caravana do Security Leaders, com um novo painel de debates a respeito na programação do evento em Belo Horizonte. As inscrições para a edição na capital mineira estão abertas e podem ser acessadas por meio desse link.

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Destaques

Cases da VLI Logística, Unimed, SESC e Mater Dei são destaque na programação mineira do Security Leaders

A agenda conta ainda com um estudo de caso inédito do Barclays, um banco Britânico e com sede em Londres,...
Security Report | Destaques

Toyota Brasil apura possível vazamento de documentos internos

Desde o último fim de semana, grupos de threat intel presentes na Dark Web apontaram que a gangue de ransomware...
Security Report | Destaques

Soft skills são próximos passos na evolução da confiança em Cyber, avaliam CISOs

Pesquisa da consultoria Kroll aponta que os gestores corporativos confiam integralmente nas pessoas de Segurança para responder aos riscos Cibernéticos....
Security Report | Destaques

Insegurança cibernética e IA são destaques do Security Leaders em BH

O Congresso será realizado no dia 23 deste mês com discussões pautadas na imaturidade em Cyber Security e o quanto...