[bsa_pro_ad_space id=3 delay=8]

O papel das mulheres no setor de segurança cibernética

Estudo revela que a representação das mulheres neste setor é de 25% globalmente. Em 2013, esse índice era de 11%

Compartilhar:

A ESET juntamente com o Digipais, que procura acompanhar tutores e professores no cuidado de crianças na Internet, no contexto do Dia Internacional da Mulher (8 de março) e do Dia Internacional da Mulheres e Meninas na Ciência (11 de fevereiro) abordam o tema e destacam sua importância.

 

“Embora a ciência e a tecnologia devam ser acessíveis a todos, é difícil para a comunidade científica conseguir isso. As mulheres que trabalham em ciência e tecnologia ainda representam apenas 28% de todos os trabalhadores”, The STEM Gap.

 

A diferença de gênero está se tornando mais visível nas disciplinas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (conhecidas como STEM), em todo o mundo. A comunidade científica global fez muito progresso nos últimos anos para inspirar e engajar meninas e mulheres na ciência, bem como para aumentar sua participação no ensino superior nesses campos, onde ainda não são suficientemente representadas.

 

Ainda assim, a disparidade de gênero continua a impedir que muitas meninas e mulheres alcancem os ganhos referentes ao que contribuem. Com o objetivo de incentivar a participação de mais meninas e mulheres na ciência para alcançar a paridade de gênero na comunidade científica e incentivá-las a seguir uma carreira na ciência, a Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 11 de fevereiro como o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência. O dia é reconhecido mundialmente desde 2015.

 

Um relatório do (ISC)² sobre mulheres na segurança cibernética revela que elas são um terço em relação aos homens no campo, destacando a necessidade de apoiar as mulheres na busca por carreiras STEM. Por esse motivo, a ESET lançou sua própria Bolsa ESET para Mulheres em Segurança Cibernética. Ela foi projetada para aumentar a representação das mulheres no campo da segurança cibernética, e consiste em uma bolsa de 5.000 dólares que é concedida a estudantes universitários dos Estados Unidos e Canadá que se especializam em uma das áreas de estudo das disciplinas de STEM.

 

“Embora nos últimos anos o número de mulheres trabalhando em cibersegurança tenha aumentado globalmente, ainda falta uma maior participação para equilibrar a escala e, assim, criar um ambiente mais inclusivo e representativo que inspire as futuras gerações de mulheres a ingressar neste campo. De acordo com o estudo elaborado pelo (ISC)2, a representação das mulheres neste setor é de 25% globalmente. Se levarmos em conta que em 2013 foi de 11%, a presença de mulheres aumentou, mas ainda é apenas um quarto”, comenta Martina López, Pesquisadora de Segurança da Computação da ESET Latin America.

 

Em sua sede em Bratislava, Eslováquia, a ESET também fez sua parte para encorajar jovens talentosas a buscarem a ciência. Ela se juntou à iniciativa AjTy v IT para motivar, educar e construir uma comunidade de meninas e mulheres no campo da tecnologia da informação. A ideia é trabalhada em estreita colaboração com a Faculdade de Informática e Tecnologia da Informação da Universidade Técnica da Eslováquia em Bratislava para incentivar as mulheres jovens a estudar ciência da computação e depois seguir uma carreira neste campo.

 

Além disso, a ESET vem apoiando e celebrando a ciência desde sua fundação, há 30 anos. Entre suas inúmeras atividades, ela premiou cientistas eslovacos por suas realizações notáveis, que têm impacto global e protegem o progresso da humanidade. O ESET Science Prize é concedido desde 2019 em três categorias que reconhecem o trabalho de homens e mulheres.

 

Para conhecer a opinião das mulheres que atualmente trabalham no setor, a ESET apresenta um novo capítulo de seu podcast Conexão Segura com Martina López e Sol González, ambas pesquisadoras de segurança do laboratório de pesquisa ESET Latin America, onde, com base em sua experiência, contam como tem sido seu caminho até hoje e como olham para a situação atual.

 

Ambos concordam que “há um pouco mais de conscientização sobre a importância de quebrar certos estereótipos e trabalhar com uma perspectiva de gênero. Com o passar do tempo, surgiram iniciativas que buscam divulgar e destacar o trabalho que as mulheres fazem em cibersegurança para inspirar outras pessoas a ver na tecnologia, e em especial na segurança de computadores, a possibilidade de construir uma carreira. Alguns exemplos dessas iniciativas na região são conferências como Latinity ou NotPink Con, ou iniciativas como Media Chicas”.

 

Para Martina, “hoje a falta de oportunidades talvez não seja o problema mais importante para as mulheres da indústria, mas sim as consequências desses estereótipos, que levam muitas mulheres ou setores minoritários da sociedade a acreditar que essas oportunidades não são para elas. Nunca se sabe; o campo da segurança cibernética pode ser o caminho certo para você, suas filhas ou as jovens ao seu redor”.

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

50% dos profissionais financeiros foram alvos de incidentes cibernéticos em 2023

Diante dos desafios da transformação tecnológicos, a Genetec ponta como caminho a convergência das soluções de segurança patrimonial e cibernética...
Security Report | Overview

Malwares focam esforços aos serviços de nuvem em telecom, revela estudo

Segundo informou a análise de ameaças da Netskope, o setor possui uma margem de 7% no número de ataques em...
Security Report | Overview

Risco de Ciberataques nas Olimpíadas reforçam demanda por Segurança preventiva

Eventos internacionais de grande porte como os Jogos Olímpicos tendem a se tornar importantes alvos do cibercrime, devido à exposição...
Security Report | Overview

ANPD é formalizada como coordenadora do Sistema Nacional de Inteligência Artificial

Como órgão de coordenação do SIA, a ANPD receberá novas atribuições. Caberá à Autarquia representar o Brasil perante organismos internacionais,...