Segurança no Blockchain: mercado brasileiro atinge 4,1 milhões de brasileiros investindo em criptomoedas

Brasil bate recorde e atinge o número de 4,1 milhões de brasileiros investindo em criptomoedas, segundo dados da Receita Federal

Compartilhar:

Em um cenário onde cada vez mais pessoas usam criptomoedas, entender o sistema que ajuda a segurança e rastreabilidade desses ativos se torna indispensável. Segundo o relatório do Statista, em novembro de 2022, o número de usuários de criptomoedas em todo o mundo superou os 400 milhões. Já no Brasil, em julho de 2023, o país bateu novo recorde e o número de investidores operando com criptomoedas superou 4 milhões, de acordo com a Receita Federal.

A blockchain é um registro digital de dados em constante crescimento que se compõe de muitos blocos organizados em ordem cronológica, vinculados entre si e protegidos por provas criptográficas. As transações de informações ocorrem dentro de uma rede descentralizada, que permite aos usuários armazenar, transmitir e processar informação. Neste tipo de rede, não existem clientes e nem servidores fixos, todos os computadores se comportam como iguais entre si. 



Seu sistema funciona através de uma estrutura de cadeia de blocos composta por: informação da transação (emissor, receptor, etc); o HASH, uma assinatura digital única e irrepetível, composta de números e letras; e o HASH anterior que o conecta com o bloco anterior e com o seguinte, convertendo-o em uma cadeia. Nessa ordem de ideias, alguém que queira hackear ou infringir a blockchain teria que mudar corretamente toda a informação prévia e posterior da blockchain para ter sucesso.



Além disso, a  blockchain é também  ihackeável, pois o HASH é gerado de acordo com o conteúdo de cada bloco, o que significa que se a informação for modificada, automaticamente, muda a série do HASH, invalidando a cadeia. Por outro lado, cada usuário da blockchain têm uma cópia da base de dados, permitindo a verificação de modificações, fazendo com que o sistema esteja em constante monitoramento e vigilância. 

Qual a sua utilidade?

Como já mencionado, a blockchain é um esqueleto das criptomoedas, porém esse não é o único uso que ela tem. Tudo aquilo que requer armazenamento, transmissão e processo de informação, pode ser utilizado via blockchain. Por exemplo, nos últimos anos, ela foi utilizada na indústria alimentícia para rastrear e registrar de maneira transparente e confiável toda a cadeia de suprimentos de alimentos, desde sua origem até seu destino final.



Por isso, esse poderoso sistema serve para assinaturas digitais, votar em eleições, guardar registros bancários, histórico médico, rastreio de suprimentos médicos e muitas outras utilidades que ainda serão descobertas. 



“Na Bitso, é nosso compromisso oferecer toda a informação necessária para que as pessoas tomem decisões seguras baseadas na evidência e no conhecimento da indústria. Temos sido testemunhas e atores no crescimento deste mercado diariamente e,  por isso, consideramos ser indispensável que os usuários entendam como seu dinheiro se move de forma segura. E que isso também ajude aqueles que ainda não embarcaram nessa viagem pelo mundo criptográfico, para que sintam a tranquilidade e o apoio do funcionamento do ecossistema pelo qual transitam”, concluiu Carlos Romero, Gerente de Engenharia na Bitso.


Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Itaú Unibanco lança campanha nacional de Marketing sobre Segurança e fraudes

Filmes serão exibidos na programação da TV Globo; campanha faz parte da estratégia para posicionamento do Itaú como banco referência...
Security Report | Overview

Brasil é uma das principais origens de ataques de DoS, aponta levantamento

Relatório da ISH Tecnologia também apresenta tentativas de logins mais usadas por criminosos, entre outros dados
Security Report | Overview

27% dos ataques cibernéticos na América Latina miram infraestrutura crítica

Pesquisa da Kaspersky também revela problemas no setor de transporte e manufatura
Security Report | Overview

Paris 2024: pesquisa revela que os Jogos estão em alto risco de ciberataques

De acordo com a Unit 42, os ciberataques são as principais ameaças ao evento esportivo mais importante do ano, com...