[bsa_pro_ad_space id=3 delay=8]

Microempresas sofrem 252% mais tentativas de fraude que a média das empresas

Segundo estudo, o uso de dados de terceiros para abertura de empresas configura uma das fraudes mais comuns

Compartilhar:

Devido ao cenário de pandemia e alta no índice de desemprego enfrentado pela população nos últimos meses, o número de brasileiros que recorreram ao empreendedorismo aumentou e, consequentemente, a facilidade no processo de criação de uma microempresa contribuiu para que criminosos usassem desse modelo empresarial para efetuar ataques cibernéticos. Segundo a ClearSale, microempresas possuem 252% mais chances de tentativas de fraudes que a média das empresas.

 

Nesse cenário, as transformações que ocorreram no mercado contribuíram para que houvessem ainda mais canais de facilitação para o alto número de autônomos. No entanto, fraudadores encontraram brechas para cometer tentativas de fraudes por meio das microempresas, principalmente após a percepção de que os empresários possuem dificuldades para lidar com a análise de fraude dessas empresas, que, muitas das vezes, não possuem um histórico por serem novas no mercado.

 

Para Henrique Braga, Head de Fraude Empresarial, o processo de criação de um MEI (microempreendedor individual) é mais fácil e exige menos processos de natureza jurídica para sua ativação, o que abre espaço para que criminosos usem desse modelo para tentativas de fraudes. “É importante salientar que as fraudes causadas por meio do uso de pessoas jurídicas, como o MEI, é uma prática cada vez mais comum. Independentemente do processo de análise de fraude ser interno ou terceirizado, é sempre importante analisar esse público, principalmente em um cenário onde os fraudadores estão cada vez mais aptos a praticarem fraudes usando essas empresas”, comenta.

 

Entre as práticas mais comuns, destacam-se o uso de dados de terceiros para abertura de lojas em nome de outras pessoas, o que leva o criminoso a criar várias empresas em seu próprio nome ou de “pessoas laranjas”, que fornecem seus dados pessoais para efetuarem compras e registrarem bens em seu nome, para aplicar o golpe. Quanto maior a fraude planejada, mais complexas podem ser as práticas, como a compra de empresas falidas para se aproveitar do histórico de mercado até a simulação de operação de fábricas.

 

“Por ser um processo que possui maiores complexidades de análise de pessoas jurídicas e da pessoa física que representa a empresa, torna possível onerar muito os processos e aumenta a vulnerabilidade de empreendimentos não especializados. Por isso, é importante que donos de microempresas recorreram ao uso de tecnologias e apoio de empresas competentes no assunto para que seja possível otimizar seus processos de decisão”, conclui o executivo.

 

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Cibercriminosos seguem mirando senhas fracas de PMEs na América Latina

Estudo da Kaspersky mostra que mais de 37% das pequenas e médias empresas latino-americanas sofreram alguma violação de cibersegurança nos...
Security Report | Overview

Novas vulnerabilidades críticas são encontradas em sistemas SAP, Cloudflare e WordPress, alerta laboratório

Consultoria Redbelt Security aconselha as empresas a adotarem uma abordagem colaborativa e proativa, adotando melhores práticas, tecnologias de vanguarda e...
Security Report | Overview

Febraban alerta para ligações de criminosos com falsas gravações para aplicar golpes

Como praxe, as organizações financeiras ligam para clientes como forma de confirmar transações consideradas suspeitas, mas jamais pedem dados pessoais...
Security Report | Overview

Ciberameaças às nuvens públicas crescem 93% em 2024, aponta relatório

Malware (41%), phishing (36%) e ransomware (32%) foram os que mais cresceram, atingindo principalmente ativos e armazenamento em Nuvem...