Golpe do 0800 ainda é obstáculo para Segurança em instituições financeiras?

Mesmo com toda a estrutura tecnológica e parâmetros rígidos de regulação, os clientes dos bancos seguem sendo alvos de golpes antigos e reconhecidos, mas eficientes quando baseados em engenharia social

Compartilhar:

Por Adriano Volpini*

A rápida digitalização decorrente dos avanços tecnológicos e o processo de inclusão bancária são indiscutivelmente eventos que melhoraram muito a vida das pessoas. No universo bancário, as facilidades para abrir conta diretamente no celular e as transações via Pix ou no próprio aplicativo de mensagens são exemplos destas inovações, que garantem uma boa experiência aos consumidores. No entanto, todo este avanço também abre brechas para oportunistas, que buscam aplicar golpes e fraudes digitais se valendo da assimetria de conhecimento dos clientes sobre como se proteger em um mundo digital.

A tecnologia bancária voltada à segurança é uma das principais prioridades das instituições financeiras no Brasil e no mundo. As diversas camadas de proteção dos sites e aplicativos bancários, como biometrias, tokens, senhas, entre outros mecanismos, que passam por atualizações frequentes, são formas eficientes de garantir a proteção dos clientes do ponto de vista tecnológico.

Todas essas inovações decorrem, em parte, do investimento de cerca de R$ 3,5 bilhões que os bancos fazem anualmente em tecnologias de segurança. No entanto, os golpistas estão sempre se reinventando para tentar fazer novas vítimas, e agora, como lobos, tentam justamente se fantasiar de cordeiros para atacar os clientes.

Neste mês, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), como parte da sua agenda de educação e disseminação de conteúdo para combate a golpes e fraudes, emitiu um comunicado sobre uma modalidade que não é nova, mas está sendo cada vez mais praticada: o golpe do 0800, também conhecido como golpe da falsa central de atendimento. Nele, os golpistas enviam mensagens via SMS ou aplicativo avisando sobre uma suposta compra suspeita e pedem para que a pessoa entre em contato por meio de um telefone 0800. Ao ligar, ela é atendida por uma falsa central de segurança, porém, muito convincentemente montada, que a induz a entregar dados bancários confidenciais ou a fazer operações para cancelar a tal compra.

Trata-se de mais um golpe aplicado com o que chamamos de engenharia social. Cerca de 70% das tentativas de golpes, por sinal, utilizam este modus operandi. Nessa modalidade, os golpistas criam uma história para sensibilizar e induzir as pessoas a entregarem informações confidenciais, realizarem transações e, assim, conseguem lesar as vítimas.

A engenharia social usa determinados gatilhos para potencializar falhas humanas. No caso do golpe do 0800, os trapaceiros exploram principalmente o medo de as pessoas terem sua integridade financeira ameaçada, ao mesmo tempo em que oferecem uma falsa sensação de segurança, acolhimento e facilidade, com uma suposta central de atendimento. Isso tudo afeta a capacidade de as vítimas tomarem decisões racionais. É neste “deslize” que o golpe toma forma.

Informação e prevenção

Uma das principais defesas contra os golpes é ter calma para analisar a situação. Ter conhecimento e consciência sobre os mecanismos de atuação também é fundamental para que as pessoas saibam das ameaças existentes e consigam se prevenir. Desconfie e, sempre que algo inusitado ocorrer, não ceda à primeira abordagem.

Em primeiro lugar, é importante enfatizar: bancos nunca ligam para você e pedem dados confidenciais, como senhas, tokens e outras informações pessoais, bem como jamais solicitam que sejam realizadas transferência, como Pix, para regularizar problemas nas contas. Pedidos assim devem acionar o alerta nas pessoas – é golpe!

Em segundo lugar, é preciso sempre ter em mente que há vários canais oficiais de contato com os bancos, listados em seus sites, aplicativos e cartões, além dos gerentes que atendem os clientes regularmente. Assim, caso receba uma suposta mensagem do banco pedindo para entrar em contato por um número 0800, não faça isso, apenas ignore a mensagem ou, se tiver dúvidas, contate o seu banco pelos canais oficiais.

Essas medidas funcionam para prevenção não apenas do golpe do 0800, mas também de todos os tipos que utilizam a engenharia social. A informação, vale dizer, é a melhor ferramenta de prevenção. Não à toa os bancos estão sempre atentos a novas modalidades de golpes, agindo e informando assim que surgem. O Itaú Unibanco, por exemplo, disponibiliza uma seção no site voltada exclusivamente a informar os clientes e a sociedade em geral sobre prevenção de fraudes e golpes.

Criminosos estão sempre em busca de novas formas de enganar as pessoas. E, infelizmente, estamos todos sujeitos a cair em suas armadilhas, cada vez mais elaboradas. É nesse contexto que se torna fundamental a ampla difusão de informações sobre novas modalidades de golpes, assim como a união de bancos, entidades representativas, consumidores e autoridades policiais para que, juntos, possamos identificar com mais eficiência os lobos em pele de cordeiro e combater suas ameaças.



*Adriano Volpini é diretor de Segurança Corporativa do Itaú Unibanco e do Comitê de Prevenção a Fraudes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban)


Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

ANPD volta a defender protagonismo na regulamentação da IA

Em evento organizado pela PUC-Rio, a diretora Miriam Wimmer lembrou que a Lei Geral de Proteção de Dados atribui à...
Security Report | Overview

Procuradores do MPF participam de curso sobre combate à Cibercriminalidade

Treinamento teve como objetivo proporcionar novas competências práticas na investigação de crimes cometidos pela internet...
Security Report | Overview

Dark Web: ambiente profundo é o Pré-Sal do Cibercrime de dados?

Da mesma forma que a reserva petrolífera na costa brasileira se tornou essencial à economia de combustíveis fósseis do país,...
Security Report | Overview

42% dos consumidores tiveram contato com ciberataques em mobile

A pesquisa da Appdome ressalta que tanto os próprios usuários quanto pessoas próximas a eles entraram no radar do Cibercrime....