Fórum Econômico Mundial coloca Segurança em pauta

Encontro reúne essa semana em Davos, Suíça, os principais líderes empresariais e políticos para tratar dos assuntos mais urgentes enfrentados mundialmente, um deles, os crimes eletrônicos. Tanto que foi lançada a criação de um Centro Global de Cybersecurity para fomentar a colaboração pública-privada na luta contra ameaças cibernéticas

Compartilhar:

O Fórum Econômico Mundial, que reúne anualmente em Davos, Suíça, os principais líderes empresariais e políticos, além de intelectuais, jornalistas, representantes culturais, organizações religiosas, players tecnológicos e sociedade civil, coloca a Segurança Cibernética na pauta como um dos assuntos mais urgentes enfrentados mundialmente. Nessa semana, o Fórum anunciou a criação de um Centro Global de Cybersecurity para fomentar a colaboração e compartilhamento de informações entre companhias públicas e privadas na luta contra as ameaças cibernéticas.

 

Visto com uma plataforma única para definir a agenda global de prioridades a serem tratadas desde o começo do ano, o Fórum Econômico Mundial dedicou diversas sessões para debater o cibercrime. Isso porque o cenário de vulnerabilidades está cada vez mais complexo, principalmente diante do impacto causado pelas ameaças WannaCry e Petya, ransomwares que abalaram sistemas ao redor do mundo em meados de 2017, e também as brechas de segurança nos processadores Intel, AMD e ARM, conhecidas como Meltdown e Spectre, alertando que 2018 estava apenas começando para o mundo das ciberameaças.

 

O objetivo do Centro Global para Segurança Cibernética é fomentar uma plataforma de colaboração pública-privada para empresas, governos, agências reguladoras e especialistas no combate aos crimes cometidos no ciberespaço. Alois Zwinggi, diretor geral do Fórum Econômico Mundial, destacou que “cibersegurança é hoje um dos assuntos mais importantes em todo o mundo”.

 

Segundo ele, o custo dos crimes online atinge 500 milhões de dólares anualmente, além de “afetar todos os aspectos da sociedade, incluindo o crescimento econômico”. Para o diretor, a cooperação é uma poderosa arma de defesa. “Essa iniciativa é um passo importante, principalmente diante do avanço de ameaças mais complexas que recorrem ao uso ilícito de moedas virtuais, bloqueiam computadores exigindo resgastes e roubam informações valiosas das empresas”, completa o diretor da Europol, Rob Wainwright.

 

Com sede em Genebra, o Centro Global de Cybersecurity se compromete com a criação de um ciberespaço mais robusto e resistente, uma espécie de “depósito” de informações e terá seu funcionamento a partir de março. O Centro será constituído por empresas globais que se encontram mais afetadas pelas ameaças e governos do G20, assim como organizações internacionais.

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Destaques

Toyota Brasil apura possível vazamento de documentos internos

Desde o último fim de semana, grupos de threat intel presentes na Dark Web apontaram que a gangue de ransomware...
Security Report | Destaques

Soft skills são próximos passos na evolução da confiança em Cyber, avaliam CISOs

Pesquisa da consultoria Kroll aponta que os gestores corporativos confiam integralmente nas pessoas de Segurança para responder aos riscos Cibernéticos....
Security Report | Destaques

Insegurança cibernética e IA são destaques do Security Leaders em BH

O Congresso será realizado no dia 23 deste mês com discussões pautadas na imaturidade em Cyber Security e o quanto...
Security Report | Destaques

Polícia Civil do DF prende suspeitos de roubar 76 milhões de senhas pessoais e governamentais

De acordo com a corporação, os hackers chegaram a incluir todas as credenciais comprometidas em um banco de dados, visando...