[bsa_pro_ad_space id=3 delay=8]

É hora de criar mais oportunidades para mulheres em Segurança Cibernética

Embora as mulheres representem quase 50% da população mundial, elas representam apenas cerca de 24% da força de trabalho de segurança cibernética. Veja três maneiras de criar mais oportunidades para o público feminino nesse segmento

Compartilhar:

*Por Renee Tarun

 

Sem dúvida, nosso setor precisa criar mais iniciativas para atrair um grupo mais diversificado de profissionais, incluindo mulheres, para carreiras com foco em STEM (da sigla em inglês que significa Science, Technology, Engineering and Mathematics), como segurança cibernética. Embora tenhamos feito algum progresso coletivamente nessa frente, muito trabalho ainda precisa ser feito para trazer as mulheres para funções focadas em segurança cibernética e criar planos de carreira significativos para que elas cresçam e progridam no setor.



Embora as mulheres representem quase 50% da população mundial, elas representam apenas cerca de 24% da força de trabalho de segurança cibernética. Ao mesmo tempo, a lacuna de habilidades em segurança cibernética permanece perigosamente alta, e o volume de ataques cibernéticos que afetam organizações de todas as formas e tamanhos está crescendo a cada dia.


Ao celebrarmos o Mês Internacional da Mulher em março, somos lembrados de que há muito mais que pode e deve ser feito para criar oportunidades para as mulheres crescerem ou iniciarem uma carreira em segurança cibernética.

 

Três maneiras de criar mais oportunidades para mulheres em segurança cibernética

 

Com tantos profissionais atualmente procurando explorar oportunidades em novos setores, não há melhor momento para o setor de segurança cibernética implementar programas exclusivos para atrair novos talentos, principalmente aqueles de grupos sub-representados, como mulheres, para o campo. Aqui estão algumas ideias sobre como atrair mais mulheres para cargos de segurança cibernética.

 

1. Desenvolver oportunidades de treinamento e requalificação

 

Oferecer treinamento prático e oportunidades de qualificação é uma ótima maneira de atrair novos talentos para o setor de segurança cibernética, dando aos alunos a chance de iniciar uma nova carreira aprendendo os fundamentos da segurança cibernética em um ambiente de baixa pressão. Essas ofertas também podem apoiar mulheres que já trabalham com segurança cibernética, mas desejam crescer e avançar em suas carreiras. O Fortinet Training Institute faz parceria com várias organizações focadas no avanço das mulheres em segurança, incluindo WiCyS, WOMCY e Latinas in Cyber, para fornecer a seus membros acesso ao currículo de treinamento e certificação líder do setor da Fortinet.

 

2) Oferecer estágios

 

Embora os estágios sejam frequentemente vistos como reservados para estudantes ou recém-formados, as oportunidades de estágio também oferecem uma valiosa experiência prática em um novo setor. Os estágios podem ser um excelente ponto de partida para mulheres interessadas em trabalhar com segurança cibernética, e essas funções geralmente oferecem oportunidades de orientação e networking. Várias organizações se concentram em conectar mulheres de todos os níveis de carreira com oportunidades de estágio focadas em STEM e segurança cibernética.

 

3) Implementar programas de mentoria

 

Os programas de orientação são uma ferramenta poderosa para aumentar o número de mulheres na cibersegurança, bem como retê-las. Essas ofertas também desempenham um papel na construção e no avanço de uma cultura de inclusão em qualquer organização, com benefícios tangíveis para mentores, mentorados e para a organização como um todo. Embora muitas empresas tenham iniciativas internas de orientação, algumas organizações profissionais focadas em segurança cibernética oferecem programas semelhantes que são particularmente úteis para mulheres que ainda estão trabalhando em uma função de segurança cibernética em tempo integral ou desejam desenvolver relacionamentos com profissionais da indústria em geral.

 

Cultivando uma cultura de inclusão

 

Organizações dos setores público e privado precisam criar iniciativas com o objetivo de atrair e reter mais mulheres na segurança cibernética. Essas organizações precisam fazer da inclusão uma prioridade e medir e acompanhar o progresso, treinar líderes e criar um ambiente de diálogo aberto e comunicação para ajudar a fazer isso acontecer. Além de aumentar a diversidade do setor e trazer indivíduos com origens e pontos de vista mais variados para a profissão, há muitos outros benefícios tangíveis para as empresas, desde melhor retenção de funcionários até melhores resultados financeiros.

 

Atrair mais mulheres para o campo da segurança cibernética também desempenha um papel crucial no preenchimento de funções importantes e na redução da lacuna de habilidades. À medida que os cibercriminosos encontram novas maneiras de se infiltrar nas redes, o preenchimento de funções abertas de segurança cibernética é uma aposta para todas as organizações, à medida que trabalham para se defender contra ameaças cibernéticas cada vez mais complexas.

 

*Renee Tarun, vice-CISO e vice-presidente de Segurança da Informação da Fortinet

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

50% dos profissionais financeiros foram alvos de incidentes cibernéticos em 2023

Diante dos desafios da transformação tecnológicos, a Genetec ponta como caminho a convergência das soluções de segurança patrimonial e cibernética...
Security Report | Overview

Malwares focam esforços aos serviços de nuvem em telecom, revela estudo

Segundo informou a análise de ameaças da Netskope, o setor possui uma margem de 7% no número de ataques em...
Security Report | Overview

Risco de Ciberataques nas Olimpíadas reforçam demanda por Segurança preventiva

Eventos internacionais de grande porte como os Jogos Olímpicos tendem a se tornar importantes alvos do cibercrime, devido à exposição...
Security Report | Overview

ANPD é formalizada como coordenadora do Sistema Nacional de Inteligência Artificial

Como órgão de coordenação do SIA, a ANPD receberá novas atribuições. Caberá à Autarquia representar o Brasil perante organismos internacionais,...