[bsa_pro_ad_space id=3 delay=8]

WatchGuard aponta crescimento sustentável pelo 13º semestre

Companhia de segurança cibernética intensifica atuação no país com média de crescimento superior a 50% por ano

Compartilhar:

A WatchGuard anuncia o balanço de sua operação no Brasil. A empresa, que já desenvolveu aproximadamente um milhão de appliances multifuncionais integrados de gerenciamento de ameaças, em todo o mundo, para pequenas, médias e grandes empresas, atua no país desde 2009, e mantém um crescimento médio de 50% ano a ano, apesar da recessão econômica.

 

A companhia fechou o segundo quarter de 2017 com 126% da meta e crescimento de 49% sobre o mesmo período do ano anterior. O segundo trimestre de 2017 foi o 10º trimestre de crescimento consecutivo.

 

Para Richard Fortes, Diretor Comercial para América Latina da WatchGuard, “com o agravamento da crise financeira no Brasil nos últimos dois anos, as empresas sentiram a necessidade de se proteger e mitigar riscos operacionais. Por isso, a conversão de oportunidades chegou até nós. Prova disso, é que em janeiro deste ano a América Latina foi eleita vencedora do prêmio interno de Território do Ano, na convenção mundial de vendas da empresa. O Brasil foi parte importante no atingimento deste resultado regional”. A WatchGuard tem como objetivo, levar segurança de alto nível a organizações de todos os tamanhos e segmentos, focando no custo-benefício.

 

Em 2016 a WatchGuard adquiriu a Hexis Cyber Solutions, e lançou a solução de Detecção e Resposta a Ameaças Avançadas, o TDR. Isso além de uma série de novos modelos de equipamentos. “Para o terceiro trimestre de 2017, teremos o lançamento de uma gama de novos produtos que vão de firewalls a access points, internos e externos. Também estamos lançando produtos específicos para cloud, tanto na proteção de ambientes em nuvem quanto equipamentos gerenciados por ela”, afirma Richard Fortes.

 

A WatchGuard conta hoje com mais de 1.000 clientes no Brasil, como Banco do Nordeste, Rede Globo, St. Paul’s School, Casa Valduga, CCAA, Zelo, Corinthians, Unimed em múltiplos estados, Secretaria de Saude de São Paulo, Ale Combustíveis, entre outros. Fortes conta que “apesar de atendermos todos os tipos e tamanhos de clientes, existe uma demanda muito alta dos clientes SMB (clientes de porte médio, médio-grande) e de organizações que possuem muitos escritórios ou sites remotos”.

 

A meta de crescimento da WatchGuard para 2017 é seguir na faixa dos 50%. A prioridade da companhia é atingir a meta com os parceiros atuais. “Novos funcionários e novos contratos já estão acontecendo e seguirão assim pelos próximos anos com absoluta certeza. O Brasil é hoje o território de maior crescimento no mundo para a companhia. Seguiremos trabalhando forte para manter esse status por muito tempo”, conclui o executivo.

 

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Ciberameaças às nuvens públicas crescem 93% em 2024, aponta relatório

Malware (41%), phishing (36%) e ransomware (32%) foram os que mais cresceram, atingindo principalmente ativos e armazenamento em Nuvem...
Security Report | Overview

Brasil é segundo maior alvo de novo malware contra carteiras digitais

Kaspersky já bloqueou mais de 100 vezes o novo ScarletStealer no Brasil em 2024, também conhecido como “CryptoSwap” por outros...
Security Report | Overview

Qual é a melhor estratégia de defesa cibernética para PMEs?

As pequenas e médias empresas estão se consolidando crescentemente como um dos alvos preferidos do cibercrime, pela facilidade e pelos...
Security Report | Overview

Era da desconfiança: como Zero Trust e Privileged Access Management bloqueiam ações criminosas?

Apesar de haver uma sensação de cuidado e Segurança com o controle de acesso, pesquisas mostram que apenas 20% das...