Variante brasileira de ransomware ataca hospitais e empresas

Segundo especialistas, cibercriminosos estão instalando o malware manualmente e criptografando todos os arquivos que podem ser encontrados no sistema através de protocolo de desktop remoto, fracamente protegidos pelos usuários

Compartilhar:

No final de 2016, uma equipe de especialistas em cibersegurança encontrou uma nova variante de um ransomware desenvolvido por um grupo de criminosos brasileiros, o Trojan-Ransom.Win32.Xpan – que tem sido usado em ataques contra empresas e hospitais, cifrando arquivos por meio da extensão “.___xratteamLucked”. Mesmo assim, ainda é comum algumas das variantes da família XPan afetem usuários, principalmente no Brasil. Os criminosos estão instalando manualmente o ransomware e criptografando todos os arquivos que podem ser encontrados no sistema através de conexões RDP (protocolo de desktop remoto) fracamente protegidas pelos seus usuários.

 

Curiosamente, esta variante XPan não é necessariamente nova no ecossistema de malware. No entanto, os criminosos continuam infectando as vítimas, o que faz com que pesquisadores de segurança procurem amostras relacionadas ao crescente número de incidentes. Esta amostra pode ser considerada como o “pai” de outras variantes de ransomware XPan. Uma quantidade considerável de indicadores dentro do código-fonte descreve as origens precoces desta amostra.

 

(Divulgação)

 

“O autor ransomware deixou uma mensagem em outras versões e fez o mesmo neste. Com vestígios para o NMoreira “CrypterApp.cpp”, há uma conexão clara entre diferentes variantes nesta família de malware. “Os cibercriminosos brasileiros já se deram conta de que ataques de ransomware podem ser tão lucrativos quanto os que usam trojans bancários. Temos visto muitas novas famílias de ransomware sendo criadas por aqui – é uma tendência sem volta”, afirma Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky no Brasil.

 

(Divulgação)

 

Embora muitas palavras em Português estejam presentes na análise inicial, houve um par que chamou a atenção dos analistas da Kaspersky Lab. Em primeiro lugar, o ransomware usa um arquivo em lotes que passará um parâmetro de linha de comando para um arquivo executável, este parâmetro é “eusoudejesus”. Os desenvolvedores tendem a deixar pequenas pistas de sua personalidade para trás em cada uma de suas criações, e nesta amostra não foi diferente.

 

Em segundo lugar, uma referência a uma celebridade brasileira é feita, embora indiretamente. “Computador da Xuxa” foi um brinquedo vendido no Brasil durante os anos 90, utilizado também como uma expressão popular para fazer alusão a computadores muito antigos com poder limitado.

 

(Divulgação)

 

“Muito bichado” equivale a encontrar um monte de problemas em sistemas como este, significando que o ambiente em que o XPan está executando não está agindo corretamente e a execução tem bastante problemas.

 

Por fim, foi encontrado um recado exigindo que a vítima envie um e-mail para a conta ‘one@proxy.tg’. Considerando que a extensão para todos os arquivos criptografados nesta variante é “.one”, parece uma convenção de nomenclatura bastante direta para as campanhas dos criminosos.

 

(Divulgação)

 

Após uma inspeção mais detalhada, foi descoberto que esse exemplo é quase idêntico a outra versão do Xpan que costumava ser distribuída em novembro de 2016 e usou a extensão “.__ AiraCropEncrypted!”. Cada pedaço do código executável permanece o mesmo, o que é bastante surpreendente, porque desde aquela época existiam várias versões mais recentes deste malware com um algoritmo de criptografia atualizado. Ambas as amostras têm o mesmo PE timestamp que data 31 de outubro de 2016.

 

A única diferença entre os dois é o bloco de configuração que contém as seguintes informações:

 

  • Lista de extensões de arquivos alvo;
  • Notas de resgate;
  • Comandos para executar antes e depois da criptografia;
  • A chave RSA pública dos criminosos.

 

O algoritmo de criptografia de arquivos também permanece o mesmo. Para cada arquivo de destino, o malware gera uma nova sequência aleatória de 255 bytes na string S (que contém a subcategoria “NMoreira”), transforma-a em uma chave de 256 bits usando a API CryptDeriveKey e procede a criptografar o arquivo usando AES-256 em CBC no com zero IV. A string S será criptografada usando a chave pública RSA do criminoso do bloco de configuração e armazenada no início do arquivo criptografado.

 

De acordo com uma das vítimas, os criminosos estavam pedindo 0,3 bitcoin para fornecer a chave de recuperação, usando a mesma abordagem que eles fizeram antes: o usuário envia uma mensagem para uma caixa de correio com o seu ID exclusivo e espera pacientemente por mais instruções.

 

As vítimas até agora são pequenas e médias empresas no Brasil: desde uma clínica de dentista até uma autoescola, demonstrando mais uma vez que o ransomware não faz distinções e todos estão em risco. Enquanto houver vítimas, é preciso auxiliá-los e fornecer ferramentas de descriptografia sempre que possível, não importa a família do ransomware ou quando ele foi criado.

 

Vítimas: podemos ajudar

 

Desta vez a sorte está do lado das vítimas! Após uma investigação completa e engenharia reversa da amostra da versão “.one” do Xpan, os analistas da Kaspersky Lab identificaram que os criminosos usaram uma implementação de algoritmo criptográfico vulnerável. O que permitiu quebrar a criptografia como com a versão Xpan anteriormente descrita.

 

Com isso, a empresa ajudou, com sucesso, uma autoescola e uma clínica de dentista a recuperar seus arquivos de forma gratuita e, como de costume, as vítimas foram alertadas a não pagarem o resgate e entrarem em contato com o suporte técnico para obter assistência.

 

Alguns cibercriminosos brasileiros estão concentrando seus esforços na criação de famílias de ransomware locais e novas, atacando pequenas empresas e usuários desprotegidos. Isto pode significar um próximo passo na luta contra o ransomware: passar de ataques em escala global a um cenário mais localizado, em que os cibercriminosos locais criarão novas famílias a partir do zero, em seu próprio idioma, e recorrendo ao Raas (Ransomware-as-a-service) como forma de monetizar seus ataques.

 

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Mercado

Hotéis na mira do vazamento de dados

Pesquisa da Symantec revela que sites podem vazar suas informações de reserva, permitindo que outras pessoas vejam os dados pessoais...
Security Report | Mercado

Tendências de segurança em Sistemas de Controle Industriais

Análise categoriza e classifica os riscos mais recorrentes após observação empírica; menos um terço dos riscos críticos e de alta...
Security Report | Mercado

Minsait amplia oferta de inteligência e segurança de redes com a Allot

Aliança entre as empresas tem como foco suprir a demanda do mercado de telecom brasileiro por dados analíticos com foco...
Security Report | Mercado

Boldon James lança solução de classificação de dados

OWA Classifier estende o suporte de classificação de dados do Outlook para o Microsoft Office 365