Rússia mantém proibição do LinkedIn no país

Moscou disse que a lei, criada em 2014 mas nunca antes aplicada com rigor, visa a proteger os dados pessoais dos russos

Compartilhar:

Um tribunal russo manteve nesta quinta-feira (10) a decisão de bloquear o site da rede social LinkedIn, noticiou a agência de notícias Interfax, criando um precedente para a forma como empresas estrangeiras operam no país.

 

O Roskomnadzor, órgão regulador das comunicações no país, disse que o LinkedIn, que tem mais de 6 milhões de usuários registrados na Rússia, está violando a lei que exige que sites que armazenam dados pessoais de russos o façam em servidores dentro do país.

 

Moscou disse que a lei, criada em 2014 mas nunca antes aplicada com rigor, visa a proteger os dados pessoais dos russos. Críticos a vêem como ataque à redes sociais num país que tem controle cada vez maior da internet nos últimos anos.

 

O Tribunal Distrital Tagansky, em Moscou, decidiu em agosto que o site do LinkedIn deveria ser bloqueado, mas a decisão ainda não foi cumprida, pois dependia de apelação da empresa.

 

Representantes do LinkedIn na Rússia não responderam imediatamente a um pedido de comentários.

 

* Com informações da Agência Reuters

 

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Mercado

Hotéis na mira do vazamento de dados

Pesquisa da Symantec revela que sites podem vazar suas informações de reserva, permitindo que outras pessoas vejam os dados pessoais...
Security Report | Mercado

Tendências de segurança em Sistemas de Controle Industriais

Análise categoriza e classifica os riscos mais recorrentes após observação empírica; menos um terço dos riscos críticos e de alta...
Security Report | Mercado

Minsait amplia oferta de inteligência e segurança de redes com a Allot

Aliança entre as empresas tem como foco suprir a demanda do mercado de telecom brasileiro por dados analíticos com foco...
Security Report | Mercado

Boldon James lança solução de classificação de dados

OWA Classifier estende o suporte de classificação de dados do Outlook para o Microsoft Office 365