Panda Security é a nova parceira da Seal Sistemas para ampliar oferta de soluções de segurança

Tecnologia para evitar ataques ransomware e proteger os dispositivos de clientes estão entre as principais propostas do novo portfólio.

Compartilhar:

Ataques ransomware são um dos pesadelos das equipes de TI e infraestrutura das empresas atualmente. O sequestro de dados e informações com o objetivo de conseguir um resgate via bitcoin vem aumentando nos últimos anos, como indica uma pesquisa realizada pela Malwarebytes que aponta o crescimento de 200% entre o primeiro trimestre de 2019 em comparação com o último de 2018. Além disso, o uso do malware Trojan para os ataques também subiu mais de 200% em relação ao trimestre anterior e quase 650% em relação ao mesmo período do ano passado. Não obstante, segundo relatório Smart Protection Network, o Brasil, com 10,75% dos casos mundiais, ocupa hoje a segunda posição dentre os países que mais sofrem com esse tipo de cibercrime, atrás apenas dos EUA, com 11,05%. Esse mesmo levantamento indica que, entre 2016 e 2018, foram identificados 1,8 bilhão de ataques ransonware no mundo.

Pensando nisso, a Seal Sistemas anuncia a parceria com a Panda Security, maior empresa europeia de Segurança de EndpointNext-Gen e que está presente em mais de 180 países. “Nosso objetivo é oferecer a melhor experiência para o cliente e a segurança é um tópico primordial nessa tarefa. Unindo as expertises da Panda e da Seal, nossas soluções terão um valor agregado muito maior para os negócios do cliente”, afirma Wagner Bernardes, CEO da Seal Sistemas.

A Seal, que já conta com uma unidade de negócios especializada em infraestrutura de redes, a Networking Solutions, reforça ainda mais a qualidade dessas ofertas com essa parceria, uma vez que os dados e informações de clientes são praticamente o coração de uma empresa e mantê-los seguros é um desafio extra. Segundo Dennis Brach, diretor de negócios e marketing da Panda Security no Brasil, “esse tipo de crime acontece tanto no corporativo quanto com consumidor final. Mas quando se trata de uma companhia, esse tipo de ataque se torna mais sensível porque acontece com o coração dela. Se uma organização perde seu banco de dados, ela pode até fechar ou ter que recomeçar do zero”. Para Ruy Castro, diretor comercial da Seal Sistemas e Head da unidade Networking Solutions, “a escolha pela Panda também se deu por essa visão corporativa que eles têm e pela possibilidade de agora conseguirmos oferecer uma solução ainda mais completa e segura para nossos clientes”.

O Adaptive Defense pode ser implementado por clientes da Seal que já tenham outro fornecedor de antivírus ou por aqueles que desejam adotar uma solução de segurança completa da Panda. “Se o cliente usar um terceiro fornecedor de antivírus ‘comum’, podemos oferecer justamente essa camada extra para garantir a segurança do cliente para esse tipo de ataque. Assim, ele pode continuar com o antivírus que já tinha e, com essa camada, atestamos que ele esteja protegido contra esse tipo de ataque”, explica Dennis.

Fora essa tecnologia contra o sequestro de informação, tem-se também uma solução que garante a segurança do dispositivo, principalmente notebooks, que são uma porta de entrada, muitas vezes vulnerável, aos malwares em geral. “Muito se fala da segurança de ataque ao servidor, ataque ao data center, ataque a rede, mas é importante trabalhar no dispositivo também.  É lá na ponta mesmo que a solução faz essa primeira proteção para que não entre nada na rede nem naquele dispositivo em si para roubo de senha, roubo de dados. E essa tecnologia cabe em todos os clientes da Networking Solutions”, explica Castro.

“Estamos falando de segurança na ponta, literalmente, até porque essa máquina não fica necessariamente apenas dentro da empresa. Hoje, com a mobilidade, a pessoa pode estar no escritório, amanhã num café, depois num hotel e etc. E ele vai recebendo e-mails, arquivos PDF, pen drives que, se contaminados, são um perigo em que um colaborador pode passar para outro uma série de vírus sem saber. O objetivo é travar e proteger aquela máquina para quando ela se conectar na rede da empresa, ela não gere nenhum tipo de ameaça”, reforça Wagner Bernardes, CEO da Seal Sistemas. Esse tipo de segurança também é importante para proteger dados pessoais dos colaboradores, já que muitos entram em contas bancárias e acessam e-mail e dados confidenciais também pelo dispositivo da companhia.

 

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

CTIR Gov orienta governo a monitorar sistemas de proteção após Apagão Cibernético

Com a identificação do incidente que colheu a plataforma Falcon, da CrowdStrike, e da Microsoft, O órgão de Prevenção a...
Security Report | Overview

Incidentes de TI estão no topo dos riscos para a continuidade dos negócios, aponta pesquisa

1ª Pesquisa Nacional sobre Maturidade em Gestão de Crises e Continuidade de Negócios, apresentada no segundo trimestre deste ano, identifica...
Security Report | Overview

54% das empresas consideram erros humanos um vetor crítico de ciberataques

Estudo da ManageEngine revelou que ameaças externas ainda são a maioria entre os golpes realizados, mas falhas de funcionários preocupam
Security Report | Overview

Apenas 23% das senhas ativas exigem mais de um ano para serem decifradas

Levantamento da Kaspersky analisa 193 milhões de senhas na darknet e indica que 87 milhões delas poderiam ser descobertas em...