Baixos orçamentos e falta de maturidade são desafios de Cyber para PMEs

DIversos motivos explicam as dificuldades que Pequenas e Médias empresas brasileiras tem para desenvolver maturidade cibernética, e essa situação os favorece como alvos fáceis do Cibercrime

Compartilhar:

Por Armsthon Zanelato, VP de Vendas da ISH Tech*

No cenário empresarial contemporâneo, a tecnologia desempenha um papel fundamental em todas as operações comerciais. À medida que as empresas continuam a se digitalizar e migrar para ambientes online, a cibersegurança torna-se uma preocupação crucial. No entanto, quando se trata de Pequenas e Médias Empresas (PMEs) no Brasil, há uma relutância generalizada em investir nessa área.

Um levantamento recente da IBM aponta que atualmente, 62% dos ataques cibernéticos afetam empresas deste porte. Por isso, precisamos abordar não apenas os desafios enfrentados pelas PMEs em relação à cibersegurança, mas também é importante mergulhar mais profundamente para entender por que é tão desafiador para elas tomar medidas nesse sentido.

Os desafios inerentes às PMEs

Antes de explorar por que as PMEs relutam em investir em cibersegurança, é importante compreender os desafios inerentes a essas empresas. As PMEs geralmente têm orçamentos mais apertados em comparação com grandes corporações. Isso torna a alocação de recursos para a cibersegurança uma tarefa complicada. Isso gera também um desafio de ROI (Retorno sobre Investimento), ou seja,para os gestores de PMEs, é difícil calcular o retorno direto de um investimento em cibersegurança, tornando difícil justificar o gasto.

Além disso, contratar e reter profissionais de cibersegurança qualificados é um obstáculo significativo. A concorrência com empresas maiores que oferecem salários mais altos dificulta ainda mais a contratação. Isso leva muitas PMEs a não estarem plenamente conscientes das ameaças cibernéticas ou subestimam sua exposição a esses riscos.


Para muitas PMEs, a cibersegurança é vista como um “custo” em vez de um investimento estratégico. Isso resulta em decisões que colocam a segurança em segundo plano. Assim, diversos proprietários subestimam os riscos cibernéticos ou acreditam que suas empresas são muito pequenas para serem alvos. Essa percepção equivocada leva à complacência.


Muitas PMEs também não têm planos de segurança cibernética claros ou não sabem por onde começar. Isso cria uma barreira significativa para a implementação de medidas de segurança eficazes.

A Necessidade Urgente de Investimento em Cibersegurança

Apesar dos desafios, a necessidade de investimento em cibersegurança para PMEs é inegável e inadiável por estes motivos:


Proteção de ativos críticos: As PMEs possuem ativos críticos, como dados de clientes e informações financeiras. A perda ou comprometimento desses ativos pode ser devastadora.


Conformidade legal: O Brasil possui regulamentações rigorosas de proteção de dados, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). O não cumprimento dessas leis pode resultar em multas significativas.


Reputação e confiança: A confiança dos clientes é fundamental para as PMEs. Uma violação de segurança pode prejudicar gravemente a reputação da empresa, afastando clientes e parceiros de negócios.


Um levantamento feito pela Check Point, apontou que menos de um quarto (22%) das PMEs sentem que estão extremamente bem protegidos contra os ataques cibernéticos e apenas uma minoria tem especialistas em segurança interna ou está trabalhando com terceiros. Boa parte destas companhias sequer possui produtos de segurança ou esses produtos são gerenciados por pessoal não especializado.


Embora seja desafiador para estas empresas investirem em cibersegurança, a relutância em fazê-lo pode ser prejudicial. A proteção de dados, a conformidade com regulamentações e a preservação da reputação são essenciais para o sucesso e a sobrevivência empresarial. Com uma compreensão mais profunda dos desafios que as PMEs enfrentam e um compromisso com a cibersegurança como um investimento estratégico, essas companhias podem se proteger de ameaças cibernéticas crescentes e garantir um futuro digital mais seguro.


Cibersegurança não deve ser vista como uma despesa, mas como um escudo indispensável contra ameaças digitais cada vez mais sofisticadas. A jornada para uma cibersegurança sólida pode parecer íngreme, mas é uma jornada que todas as PMEs devem seguir, pois não apenas uma necessidade; é um investimento que pode proteger seu futuro digital e garantir o crescimento contínuo de sua empresa.


*Armsthon Zanelato é VP de Vendas da ISH Tech



Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Itaú Unibanco lança campanha nacional de Marketing sobre Segurança e fraudes

Filmes serão exibidos na programação da TV Globo; campanha faz parte da estratégia para posicionamento do Itaú como banco referência...
Security Report | Overview

Brasil é uma das principais origens de ataques de DoS, aponta levantamento

Relatório da ISH Tecnologia também apresenta tentativas de logins mais usadas por criminosos, entre outros dados
Security Report | Overview

27% dos ataques cibernéticos na América Latina miram infraestrutura crítica

Pesquisa da Kaspersky também revela problemas no setor de transporte e manufatura
Security Report | Overview

Paris 2024: pesquisa revela que os Jogos estão em alto risco de ciberataques

De acordo com a Unit 42, os ciberataques são as principais ameaças ao evento esportivo mais importante do ano, com...