[bsa_pro_ad_space id=3 delay=8]

“Nova Agência de Cibersegurança pode ajudar no avanço da proteção de dados”, diz especialista

Governo Federal anunciou nesta semana que deve encaminhar até o fim de outubro um projeto de lei para criar a Agência Nacional de Segurança Cibernética no Brasil. O advogado especialista em Direito Digital, Guilherme Guimarães, acredita que esse deve ser mais um passo importante para a maturidade de SI e Proteção de Dados no país, mas alerta para as dificuldades de conformidade do mercado em geral

Compartilhar:

O Governo Federal anunciou nesta semana que pretende enviar ao Congresso Nacional o Projeto de Lei que viabiliza a criação da Agência Nacional de Segurança Cibernética até o final do mês de outubro de 2023. O anúncio foi feito pelo ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Marcos Antônio Amaro dos Santos.

A fala do ministro ocorreu durante o seminário da “4ª Revolução Industrial: Desafios para a Defesa, Segurança e Desenvolvimento Nacional”, realizado no Rio de Janeiro, na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Na mesma ocasião, o general Amaro dos Santos também confirmou que a Política Nacional de Segurança Cibernética deve ser criada nesse mesmo prazo.

 “Nós pretendemos que até o final de outubro próximo seja apresentada a Política Nacional de Segurança Cibernética, definida por meio de um decreto. Além disso, um projeto de lei para a criação da Agência Nacional de Segurança Cibernética será enviado ao Congresso Nacional”, afirmou o ministro do GSI ao jornal O GLOBO.

Na visão do advogado e sócio fundador do Guilherme Guimarães Advogados, Guilherme Guimarães, a decisão do Governo Federal de se debruçar sobre esse tema é essencial para desenvolver a maturidade Cyber do país e pode se tornar mais um passo importante na crescente evolução da Proteção de dados dos brasileiros.

“A iniciativa certamente poderá impulsionar os investimentos em segurança da informação e, por consequência, na proteção de dados pessoais prevista na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Sem nenhuma dúvida penso que ajudará no avanço da Segurança da Informação e, inclusive, ajudará no aprimoramento da conformidade com os padrões atuais de gerenciamento de dados”, disse Guimarães, em entrevista para a Security Report.

No entanto, o especialista em Direito Digital acredita que ainda existem grandes complexidades a serem enfrentadas, especialmente no que diz respeito à adequação das grandes corporações aos novos padrões de SI que devem ser criados. Para ele, muitas delas enfrentarão dificuldades similares às que já são sentidas com a conformidade à LGPD.

“Na minha opinião, o pior desafio será exigir de empresas que não estão comprometidas com a garantia da segurança que cumpram com as diretrizes previstas nas novas regulamentações. A implementação dos requisitos previstos na Lei de proteção de dados, por exemplo, até hoje é um desafio, pois existem empresas que não estão preocupadas em assegurar a proteção dos dados pessoais que operam”, finalizou Guimarães.


*Com informações do jornal O GLOBO

Conteúdos Relacionados

Security Report | Destaques

AWS: Descentralização permite priorizar cultura de Segurança nas empresas

O representante de Segurança Cibernética da Amazon Web Services na América Latina, Marcello Zillo, conversou com jornalistas durante o re:Inforce...
Security Report | Destaques

Deputados do Partido Liberal são alvos de hacktivismo nas redes

No último fim de semana, membros da bancada do partido na Câmara tiveram sites oficiais e contas nas redes sociais...
Security Report | Destaques

73% das violações no mundo ocorreram por ransomware, alerta SEK

Baseada nos números gerados pelos mais de um milhão de alertas no SOC da companhia, o estudo Think Ahead Report...
Security Report | Destaques

Eneva e Allos são Cases em destaque no Security Leaders Rio

O Congresso será realizado no dia 20 de junho na cidade maravilhosa e com discussões pautadas em maturidade cibernética a...