Estudo aponta alta de 50% no número de ciberataques em todo mundo em 2021

Crescimento de ciberataques atingiu pico em dezembro devido às explorações Apache Log4J; os ciberataques a organizações do Brasil aumentaram 77% em 2021

Compartilhar:

A Check Point Research (CPR), divisão de Inteligência em Ameaças da Check Point, acaba de divulgar as estatísticas globais resultantes de um levantamento sobre os aumentos nos ataques cibernéticos a organizações em 2021 por região, país e setor. No geral, em 2021, a CPR observou 50% mais ciberataques por semana em redes corporativas em comparação com 2020. A tendência de aumento dos ataques cibernéticos atingiu um ponto mais alto no final de 2021 após as descobertas de explorações do Apache Log4J, chegando a 925 ciberataques semanais por organização, globalmente.

 

Em 2021, Educação/Pesquisa foi o setor que registrou o maior volume de ataques, com uma média de 1.605 ataques por organização a cada semana. Isso foi um aumento de 75% em relação a 2020. Em segundo lugar está o setor de Governo/Militar que teve 1.136 ataques por semana (aumento de 47%) e a indústria das comunicações, a qual teve 1.079 ataques semanais por organização (aumento de 51%).
Assim, os setores mais visados em todo o mundo por cibercriminosos em 2021 foram:
1. Educação / Pesquisa (1.605, + 75%)
2. Governo / Militar (1.136, + 47%)
3. Comunicações (1.079, + 51%)
4. ISP / MSP (1.068, +67%)
5. Saúde (830, +71%)

As estatísticas sobre o Brasil, levantadas pela divisão Check Point Research, apontam que em média 1.046 organizações foram atacadas, um aumento de 77% comparando os períodos de 2020 a 2021.

A seguir a lista com ataques por organização nos respectivos setores no Brasil em 2021:

1° Varejo/Atacado: 2.158 organizações, 238%
2° Saúde: 1.685, 64%
3° Governo/Militar: 1.495, 55%
4° Comunicações: 1.351, 357%
5° Lazer/Hotelaria: 1.235, 220%
6° Transporte: 833, 152%
7° Finanças/Bancos: 696, 65%
8° Manufatura: 608, 247%
9° Educação/Pesquisa: 428, 18%
10° Utilities: 382, 201%

“Os cibercriminosos continuam inovando. No ano passado, vimos 50% mais ciberataques por semana em redes corporativas em todo o mundo em comparação com 2020, o que é um aumento significativo. Também observamos que o número de ataques cibernéticos atingiu o pico no final do ano, em grande parte devido às tentativas de exploração da vulnerabilidade do Apache Log4J. Novas técnicas de penetração e novos métodos de evasão tornaram muito mais fácil para os hackers executar intenções maliciosas”, ressalta Omer Dembinsky, gerente de Pesquisa de Dados da Check Point Software Technologies.

Dembinsky reforça ainda o cenário alarmante de alguns setores sociais essenciais entrarem na lista como sendo os mais atacados em todo mundo, como Educação, Governo e Saúde. Na visão do executivo, 2022 será um ano de muitos ataques à medida que os cibercriminosos continuarão a inovar e encontrar novos métodos para executar ciberataques, especialmente o ransomware.

 

“Estamos em uma pandemia cibernética e, por isso, recomendo fortemente às organizações adquirirem as habilidades em relação à cibersegurança. Medidas simples como atualizações (patching), segmentação de suas redes e treinamento de funcionários podem ajudar muito a tornar o mundo mais seguro”, conclui.

 

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Itaú Unibanco lança campanha nacional de Marketing sobre Segurança e fraudes

Filmes serão exibidos na programação da TV Globo; campanha faz parte da estratégia para posicionamento do Itaú como banco referência...
Security Report | Overview

Brasil é uma das principais origens de ataques de DoS, aponta levantamento

Relatório da ISH Tecnologia também apresenta tentativas de logins mais usadas por criminosos, entre outros dados
Security Report | Overview

27% dos ataques cibernéticos na América Latina miram infraestrutura crítica

Pesquisa da Kaspersky também revela problemas no setor de transporte e manufatura
Security Report | Overview

Paris 2024: pesquisa revela que os Jogos estão em alto risco de ciberataques

De acordo com a Unit 42, os ciberataques são as principais ameaças ao evento esportivo mais importante do ano, com...