Entenda o conceito de SASE, o futuro da cibersegurança, segundo o Gartner

Forcepoint levanta oito pontos fundamentais para compreender este modelo de arquitetura que deve ser adotado pela maioria das empresas

Compartilhar:

O mundo está mudando e fomos forçados a acelerar processos que foram planejados para um período de 2 a 3 anos de execução. Como as companhias se viram obrigadas a oferecer novas e variadas maneiras de trabalho, o conceito SASE (Secure Access Service Edge), proposto pelo Gartner em 2019, entra nesta onda.

 

Mas afinal o que é este conceito? Estamos preparados para aderir? O momento em que vivemos está acelerando esta adoção de conceito, mas o que é preciso para adotá-lo 100%? Pensando nessas perguntas, a Forcepoint compartilha oito pontos importantes que todo empresário deve saber para entender o SASE:

 

• Não é um produto, mas um modelo emergente de arquitetura de segurança e networking, para ajudar as organizações a visualizar uma reformulação de seu design atual de conectividade e segurança do perímetro.

 

• Ele permite que os recursos de segurança da Web, da rede e dos aplicativos convirjam em um serviço unificado, nativo da nuvem e através de um único sistema de gerenciamento.

 

• Essa convergência permite gerenciar com políticas consistentes e integradas, eliminando lacunas e redundâncias que as equipes de segurança e conectividade costumavam ter ao lidar com cenários de silos de gerenciamento.

 

• Melhora a visibilidade e proteção de usuários e dados com uma visão de geolocalização muito mais extensa.

 

• Simplifica a gestão de segurança cibernética nas organizações e aumenta a eficiência das equipes de TI e segurança que muitas vezes são cada vez menos equipadas.

 

• Reduz custos conectando pessoas e escritórios em todo o mundo com segurança.

 

• É ideal para proteger locais e pessoal distribuído ou remoto, com a capacidade de minimizar o uso de comunicações e hardware de segurança, independentemente de você ser um simples usuário remoto ou o mais complexo de suas filiais, considerando tecnologias como o SD-WAN.

 

• Evita falhas de segurança que os atacantes exploram quando a arquitetura é baseada em estruturas de hardware que protegem diferentes locais em uma organização ou uma combinação de soluções de diferentes fornecedores.

 

“A necessidade de SASE surge à medida que a transformação digital das empresas evolui constantemente. Segundo o Gartner, até 2025, 80% das organizações terão movido suas cargas de trabalho para a nuvem, o que leva ao desaparecimento gradual dos Data Centers tradicionais”, comenta Felipe Canale, Country Manager da Forcepoint para o Brasil.

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Anatel emite ofícios às Big Techs sobre Cibersegurança em Inteligência Artificial

Os documentos têm o objetivo de iniciar uma discussão institucional com essas empresas de tecnologia sobre os riscos de cibersegurança...
Security Report | Overview

Precisamos falar sobre a tecnologia obsoleta em Cibersegurança?

O controle de legados em ambientes corporativos está cada vez mais na pauta dos Líderes de Cyber no mundo. Isso...
Security Report | Overview

Ataques iniciados por infostealers ampliam risco de violações secundárias, aponta estudo

Ocorrência recente envolvendo a Snowflake impactou milhões de clientes do banco Santander e da Ticketmaster, entre outras organizações
Security Report | Overview

30% das organizações na América Latina sofreram incidentes de segurança em 2023

Relatório mapeia principais desafios das organizações para aprimorar as práticas de gestão em cibersegurança. O crime é composto por ecossistema...