Dia das Mães: Criminosos utilizam páginas falsas para atrair vítimas

Compartilhar:

Analisar com atenção proveniência e preço dos produtos, bem como confirmar as procedências das lojas relacionadas com o site são alguns métodos par escapar de tentativas de ataques cibernéticos

Desde a migração das compras em lojas físicas para as compras online, a fraude em e-commerce tem se tornado uma preocupação cada vez mais recorrente. E em datas comemorativas como o Dia das Mães, que este ano acontece no dia 14 de maio, os consumidores precisam estar ainda mais atentos para não cair em golpes, que visam enganá-los e roubar não apenas dinheiro, mas também dados pessoais.

Segundo os especialistas da Redbelt Security, entre as principais táticas usadas pelos criminosos cibernéticos estão, a tradicional criação de sites falsos, e-mails e mensagens de texto fraudulentas, e nos últimos anos, a criação de anúncios falsos em redes sociais. Esse último, tem se tornado o principal método dos atacantes.

De acordo com Marcos de Almeida, gerente de Red Team da Redbelt, o cenário desses golpes é sempre o mesmo: um perfil em rede social, como o Instagram, com diversos produtos anunciados, normalmente produtos eletrônicos. “As imagens do perfil geralmente mostram diversas pessoas segurando os produtos, dando a entender que se trata de clientes satisfeitos que receberam seus produtos, e fotos do suposto ‘estoque’ da loja, com diversos produtos disponíveis”, comenta.

Como identificar perfis falsos

O especialista da Redbelt explica que, para identificar esses perfis falsos, o usuário deve atentar-se a cinco sinais. São eles:

1- As postagens

Geralmente, são diversas imagens de pessoas, segurando os produtos vendidos pela empresa, em locais públicos, e com todas as imagens postadas no mesmo dia ou no máximo na mesma semana. Isso acontece pois, normalmente os criminosos compram um perfil com vários seguidores, e rapidamente postam dezenas de fotos, para primeiro dar a impressão que a conta já tem um bastante tempo, e segundo para utilizar estas fotos como uma “prova” que as pessoas que compram nela, recebem os produtos.

2- Nome da loja

Normalmente, são nomes genéricos, e que ao serem procurados na internet, não é encontrado nenhuma informação relacionada àquele perfil.

3- Informações da loja

O terceiro ponto, é que as “lojas” não possuem características básicas de uma empresa legitima, como um site, CNPJ, e sobretudo, um endereço físico, entre outros. Alguns golpistas chegam a “criar” um cenário para tirar as fotos, e passar a impressão de que há um escritório ou loja física, porém, continuam sem divulgar o endereço.

Vale salientar que alguns desses perfis que mostram uma loja ou escritório, podem ter pegado as fotos de uma loja legitima, e terem criado um perfil com nome similar, para se aproveitar das fotos já existentes.

4- Os preços

Esses perfis sempre ofertam produtos com preços extremamente mais baixos do que os das lojas oficiais. Normalmente, eles utilizam o argumento de serem revendedores oficiais da marca, ou de serem produtos de devolução.

5- Forma de pagamento

Em geral, os meios de pagamento são apenas PIX e boleto. E, mesmo assim, ainda chegam a oferecer parcelamento em até 18x, uma condição que em lojas confiáveis só é ofertada para compras realizadas com o cartão da loja. As vendas são feitas somente via internet, e o contato com o vendedor é sempre pelo WhatsApp.

Cuidados e Precouções

A Redbelt recomenda algumas medidas de segurança que podem ser colocadas em prática:

1- Certifique-se de que a loja está possui um CNPJ e está devidamente regulariza. Por meio de uma simples pesquisa pelo CNPJ no Google, é possível ver dados como, endereço, razão social, nome fantasia, quadro de sócios, endereço, telefone e e-mail. Verifique se estas informações conferem com as anunciadas no site e nas redes sociais, para verificar se aquele site ou perfil, de fato pertence a aquele CNPJ.

2- Verifique sempre a reputação da loja antes de realizar uma compra. Pesquise na internet por avaliações e reclamações de outros clientes. Utilize sites como o Reclame Aqui, para descobrir problemas que a loja já teve, e como ela resolveu aquele problema.

3- Verifique o preço do produto anunciado, no site da fabricante e nos sites das revendedoras autorizadas. Caso a diferença seja muito grande, desconfie.

4- Dê preferência para compras em lojas que possuem um endereço físico, acessível ao público, como uma loja na rua ou no shopping, pois, dificilmente ela irá “desaparecer” de um dia para o outro, como no caso de uma loja online. Além disso, se possível, vá pessoalmente na loja.

5- Verifique o perfil da loja nas redes sociais, caso as postagens sejam todas feitas em um curtíssimo intervalo de tempo, por exemplo, 5 dias, 1 semana ou até mesmo 1 mês, desconfie imediatamente.

6- Desconfie de qualquer loja que lhe ofereça parcelamento, sem ser via cartão de crédito. Lembre-se: nenhuma loja aceita parcelamento via PIX ou boleto, por exemplo, pois não há quaisquer garantias de que o cliente irá pagar.

7- Sempre utilize cartões virtuais para realizar compras online. Isso pode ser feito a partir do aplicativo do banco do usuário, que permite que você gere um número de cartão que será valido apenas para aquela compra. Isso impossibilita que um criminoso obtenha o número do seu cartão, e utilize em outras compras.

8- Desconfie de lojas que não possuem site, e que realizam a comercialização apenas por WhatsApp, pois, conversas via WhatsApp podem ser apagadas, e depois disso, ficará difícil provar a negociação que foi feita. Vale salientar que prints da tela, muitas vezes não são aceitos como prova, pois podem ser facilmente fraudados.

9- Verifique se o site em que vai realizar a compra, é seguro e se possui um certificado SSL. Sites seguros possuem o ícone de um cadeado na barra de endereço do navegador, que começa com “https”. Isso indica que a comunicação entre o usuário e o servidor está criptografada e, portanto, mais segura.

10- Nunca clique em links suspeitos ou forneça informações pessoais em sites desconhecidos. Caso receba uma mensagem suspeita, entre em contato com a empresa em questão para confirmar se é legítima ou não.

11- Evite realizar compras em computadores públicos ou redes Wi-Fi abertas, que podem ser facilmente acessadas por hackers. Use sempre uma conexão segura e confiável para fazer compras online. Se estiver na rua, utilize a rede móvel, como o 4G ou 5G, ou se não for possível, aguarde chegar em casa para realizar a compra.

12- Sempre monitore as transações em seus cartões de crédito e débito, verificando se há atividades suspeitas. Caso note algo fora do comum, entre em contato imediatamente com a instituição financeira e informe o ocorrido.

13- Evite realizar pagamentos via PIX para lojas que você nunca comprou algo antes ou que não são conhecidas, pois, após a transferência ser realizada, dificilmente será possível reaver o dinheiro enviado, diferente do cartão de crédito, onde é possível comunicar a fraude a tempo.


Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Anatel emite ofícios às Big Techs sobre Cibersegurança em Inteligência Artificial

Os documentos têm o objetivo de iniciar uma discussão institucional com essas empresas de tecnologia sobre os riscos de cibersegurança...
Security Report | Overview

Precisamos falar sobre a tecnologia obsoleta em Cibersegurança?

O controle de legados em ambientes corporativos está cada vez mais na pauta dos Líderes de Cyber no mundo. Isso...
Security Report | Overview

Ataques iniciados por infostealers ampliam risco de violações secundárias, aponta estudo

Ocorrência recente envolvendo a Snowflake impactou milhões de clientes do banco Santander e da Ticketmaster, entre outras organizações
Security Report | Overview

30% das organizações na América Latina sofreram incidentes de segurança em 2023

Relatório mapeia principais desafios das organizações para aprimorar as práticas de gestão em cibersegurança. O crime é composto por ecossistema...