[bsa_pro_ad_space id=3 delay=8]

Como ampliar a resiliência Cyber do varejo através da proatividade?

A vertical de varejo, uma das mais visadas em termos de interesse do cibercrime, tem procurado aumentar sua resiliência cibernética diante de um cenário digital cada vez mais hostil. Para que esse caminho seja trilhado, recomenda-se investir em visibilidade e observabilidade para permitir às lideranças de SI priorizarem os riscos e agirem antes de qualquer crise

Compartilhar:

por Tonimar Dal Aba*

As empresas de varejo no Brasil têm enfrentado desafios significativos para administrar sua estrutura tecnológica e adotar uma robusta segurança digital. Isso é especialmente verdadeiro para varejistas que têm uma grande presença nacional. Com lojas, escritórios, depósitos e usuários espalhados por vários estados, as equipes de TI dessas empresas precisam de ajuda para manter a estabilidade da infraestrutura tecnológica em um ambiente que recebe um grande volume de acesso de usuários diariamente. Consequentemente, o monitoramento de ambientes digitais produtivos virou uma tarefa desafiadora.

As empresas devem aprimorar sua infraestrutura de TI e mitigar o risco de ataques cibernéticos, que cresceram nos últimos anos – segundo pesquisa FIESP/CIESP, 74% dos ataques cibernéticos no Brasil visam bloquear as operações das empresas e 36% deles obtêm êxito. Uma melhor visibilidade dos processos digitais também pode ajudar os tomadores de decisões de TI a capacitar suas empresas para responder prontamente aos futuros riscos.

Como exemplo, a C&A, uma das maiores marcas de varejo do mercado brasileiro, sofria com a dificuldade de obter uma visibilidade completa do seu ambiente Active Directory, o que dificultou o monitoramento da atividade do usuário e resultou em ineficiências operacionais e possíveis riscos de segurança. Além disso, eles enfrentaram o desafio de identificar problemas de login em vários dispositivos de usuários. Para resolver esse problema, a empresa implementou solução de auditoria e conformidade da ManageEngine para possibilitar o monitoramento em tempo real e obter visibilidade total de seu ecossistema de servidores.

Para o setor varejista, os benefícios da implementação dessa solução vão além do monitoramento e da segurança. Ao confiar nos relatórios gerados, as organizações de varejo podem manter suas organizações em conformidade com as normas nacionais e internacionais do setor, como LGPD, GDPR, SOX e HIPAA ,protegendo a privacidade dos dados dos clientes e mantendo a confiança das partes interessadas.

A experiência da C&A reflete os desafios comuns de TI enfrentados pelas empresas de varejo do Brasil. Diante da evolução do setor de varejo no Brasil, é essencial tomar medidas proativas para enfrentar os desafios de TI e reforçar a segurança. Com soluções avançadas, os varejistas podem otimizar sua infraestrutura de tecnologia e permanecer resilientes nesta era digital.

*Tonimar Dal Aba é Gerente Técnico da ManageEngine no Brasil.


Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

ANPD é formalizada como coordenadora do Sistema Nacional de Inteligência Artificial

Como órgão de coordenação do SIA, a ANPD receberá novas atribuições. Caberá à Autarquia representar o Brasil perante organismos internacionais,...
Security Report | Overview

Nova ameaça do AllaSenha no Brasil faz setor financeiro entrar em alerta

Novo método de ataque, baseado em infecção de scripts Python e uso de plataforma Azure como Comando e Controle tem...
Security Report | Overview

95% das empresas têm problemas de segurança nas APIs, apura novo relatório

Relatório Salt Security State of API destaca ecossistemas de API em rápido crescimento, o aumento da atividade de ataques e...
Security Report | Overview

Laboratório de threat intel detecta roubo de credenciais em quase 800 empresas globais

O grupo Sophos X-Ops, focado em pesquisas no cenário cibercriminoso internacional, detectou uma nova campanha de comprometimento de credenciais válidas...