Bancos fortalecem suas Seguranças física e cibernética ao unificá-las

Diante de um contexto no qual a criminalidade física e cibernética cresce dia após dia, é fundamental que as empresas do setor financeiro tenham soluções unificadas e sofisticadas de segurança para garantir a proteção do seu patrimônio, das pessoas que frequentam suas agências e de todos os dados que movimentam

Compartilhar:

Os bancos brasileiros representam 8% do PIB nacional e são essenciais para o crescimento econômico e estabilidade financeira do País, sendo referência global em termos de eficiência operacional e inovação tecnológica. Até pela natureza de seus negócios uma das áreas em que investem pesadamente é a de segurança, tanto patrimonial, como cibernética, que teve seus valores ampliados em 29% em 2022, chegando a R$ 45 bilhões, segundo dados da Febraban (Federação Brasileira de Bancos).
 

Estes investimentos incluem aquisição de novas tecnologias para proteger seus ativos e sistemas, como firewalls, antivírus, sistemas de detecção de intrusão, câmeras, leitores de placas e outros sistemas de segurança, além de treinamentos de pessoal com o intuito de ajudá-los a identificar riscos e evitar ameaças. Contemplam também melhorias da governança, como a criação de políticas e procedimentos, nomeação de gestores e realização de auditorias.



“Os bancos são muito conscientes da importância da segurança para garantir suas operações e a resiliência e desenvolvimento de seus negócios, pois tem cálculos muito claros sobre os grandes prejuízos financeiros e operacionais gerados por invasões físicas e cibernéticas, assim como dos danos causados à reputação de suas marcas”, afirma José Rodrigues da Silva Neto, gerente de Vendas para verticais de Varejo e Finanças.
 

Segundo Rodrigues Neto, com o avanço das transformações digitais, os desafios de segurança dos bancos só crescem, devido ao aumento da complexidade e interconexão dos sistemas e processos, à sofisticação e ampliação vertiginosa dos ataques dos hackers, seja para roubar dados, atacar infraestruturas críticas ou causar interrupções nos negócios.



Outros obstáculos a serem superado são a falta dos recursos necessários para implementar e manter a segurança robusta, gerados por orçamentos limitados, a existência de silos em equipes com uso de tecnologias e processos antigos e enraizados, dificuldade de encontrar profissionais qualificados e de envolver a alta administração nessas questões.
 

“Diante desse cenário complexo de ameaças e para atender a evolução das necessidades dos clientes, os bancos precisam de sistemas de segurança empresarial unificados, com plataformas abertas para aceitar a adoção de novas tecnologias, garantindo flexibilidade e agilidade à implementação, e que possam ser gerenciados de forma centralizada para otimizar seus investimentos, sem limitar o potencial de crescimento futuro”, explica o executivo da Genetec.
 

Mais do que apenas uma coleção de ferramentas, um banco precisa de uma plataforma que seja projetada com segurança e conectividade em mente desde o início. Isso significa uma arquitetura acessível, fácil de gerenciar e segura por dentro e por fora — acima de tudo. Com a adoção do Genetec Security Center, o banco pode ter uma Central de Segurança conectada para proteger as pessoas, seus ativos e dados de modo a atender às expectativas do mercado e as legislações nacionais, com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).
 

Segurança unificada apoia agências bancárias conectadas

Dentro de qualquer agência bancária ou financeira existem muitos dispositivos e notificações para acompanhar diariamente.  Por isso, a plataforma de segurança deve ajudar a criar um banco conectado, com uma coleção de sistemas gerenciados e dimensionados à medida que a instituição cresce.



Um sistema unificado permite o monitoramento de espaços, validação de transações em caixas eletrônicos e caixas físicos com imagens de vídeo, contextualização de eventos de intrusão, proteção de áreas restritas e colaboração com a aplicação da lei.

 

“Outra questão é fortalecer a resiliência cibernética, pois as instituições financeiras estão cada vez mais na mira dos ataques cibernéticos à medida que a conectividade se expande na era da IoT. Esta nova realidade exige um sistema seguro com múltiplas linhas de defesa para apoiar a proteção de dados, ajudando a entender, identificar e mitigar riscos para tornar a organização mais protegida”, enfatiza Rodrigues Neto.

 

A cibersegurança é fundamental porque hoje os clientes esperam experiências satisfatórias com serviços bancários contínuos e seguros. Mas para conseguir isso, é preciso que as pessoas consigam navegar de forma fácil e tranquila pelos serviços, o que requer a coleta, armazenamento, processamento e análise de dados, capazes de se tornarem informações valiosas.



Isso demanda que o sistema de segurança possa filtrar o ruído e apresentar insights de maneira eficiente. Com um banco conectado unificado, operadores e equipe de segurança podem visualizar e acessar os dados de todos os sistemas de segurança por meio de painéis personalizados e mapas gráficos, em um aplicativo móvel ou cliente da web.

 

“Com este objetivo, os gestores de segurança devem visualizar as atividades de várias filiais remotas e locais corporativos de um sistema centralizado, sem interromper as operações. Isso facilita as investigações, porque se verifica as ocorrências a partir de um único ponto de contato, no qual se monitora vídeos, gerencia alarmes e coleta dados relevantes”, ressalta o executivo da Genetec.


Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Overview

Pesquisa aponta que 36% do setor de Indústria tem níveis altos de conscientização em Cyber

Pesquisa da Zoho revela que organizações da região, especialmente as empresas brasileiras, têm nível alto de conscientização sobre segurança digital,...
Security Report | Overview

Novas brechas expõem ameaças à sistemas Windows, Cisco e Palo Alto, diz pesquisa

Relatório elaborado pela consultoria especializada em cibersegurança também destaca o surgimento de uma campanha massiva de phishing, que tem como...
Security Report | Overview

Cibersegurança nas PMEs: Controle de senhas é primeiro desafio a se enfrentar

Na visão de especialista em direito digital, aplicar melhores práticas de governança é um dos grandes trunfos na Segurança Cibernética...
Security Report | Overview

Novo programa de serviços gerenciados alcança mercado brasileiro e latino-americano

Provedores de MSP podem oferecer solução ZTNA da Appgate para elevar a segurança do cliente e reduzir a complexidade operacional...