Aumento da confiança na nuvem traz mais preocupações com a segurança

Segundo Márcio Kanamaru, diretor geral da Intel Security no Brasil, não é correto depositar toda a responsabilidade da segurança dos dados nos fornecedores de serviço em nuvem, é preciso uma camada extra de proteção, pensada para cada tipo de negócio

Compartilhar:

No final do ano passado a Intel Security fez uma pesquisa com 100 executivos brasileiros responsáveis pela segurança corporativa em suas organizações. Um dos dados mais marcantes foi que 97% dos entrevistados disseram que a empresa onde atuam confia mais na computação em nuvem hoje do que há 12 meses. E a grande maioria (94%) deve aumentar o investimento em nuvem neste ano.

 

Estes números mostram que a confiança e a percepção positiva dos serviços de nuvem continuam crescendo ano após ano. Benefícios como custo atraente e a elasticidade dos serviços, que cobram apenas pelos ativos que estão em uso, estão levando cada vez mais empresas a adotarem a estratégia “Cloud First”, ou seja, considerar como primeira opção o modelo em nuvem ao comprar ou implementar aplicativos.

 

A pesquisa apontou que 53% das empresas mantém algum dado sensível na nuvem pública, mas apenas 38% dos entrevistados confiam plenamente neste serviço, e apenas 4% escolhem este como o único modelo para armazenar seus dados. A nuvem híbrida é a preferida pelos brasileiros. O País é o que mais usa nuvem híbrida em sua arquitetura, com 74% dos executivos optando por esse formato.  Sem dúvida, esta confiança está atrelada à percepção de que os dados corporativos estão mais seguros na nuvem privada ou híbrida do que na nuvem pública.

 

O aumento da confiança na nuvem é extremamente benéfico para o mercado. No entanto, a migração para a nuvem, seja ela pública ou privada, precisa ser planejada desde o início considerando uma estratégia de segurança precisa e adequada. Não é correto depositar toda a responsabilidade da segurança dos dados nos fornecedores de serviço em nuvem, é preciso uma camada extra de proteção, pensada para cada tipo de negócio.

 

De acordo com a pesquisa, nas organizações brasileiras, o aumento do uso da nuvem pública se daria principalmente por três fatores: custo, garantia que os dados continuam sob controle e possibilidade de gerenciar vários serviços em nuvem. Os dois últimos podem ser alcançados com o uso de ferramentas de segurança especializadas capazes de expandir a visibilidade sobre as operações e centralizar o gerenciamento.

 

A transformação digital está mudando a forma como as empresas atuam e o aumento da atuação na nuvem é uma das principais marcas desta transformação. A estrutura de TI nas empresas está ficando cada vez mais complexa, além de proteger os dados, a segurança precisa oferecer suporte a novos dispositivos, aplicativos e serviços de nuvem que irão surgir num futuro próximo. A empresa que não se adaptar e não prover a segurança de seus dados e propriedade intelectual estará fadada a se perder pelo caminho.

 

* Márcio Kanamaru é diretor geral da Intel Security no Brasil

 

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Mercado

Hotéis na mira do vazamento de dados

Pesquisa da Symantec revela que sites podem vazar suas informações de reserva, permitindo que outras pessoas vejam os dados pessoais...
Security Report | Mercado

Tendências de segurança em Sistemas de Controle Industriais

Análise categoriza e classifica os riscos mais recorrentes após observação empírica; menos um terço dos riscos críticos e de alta...
Security Report | Mercado

Minsait amplia oferta de inteligência e segurança de redes com a Allot

Aliança entre as empresas tem como foco suprir a demanda do mercado de telecom brasileiro por dados analíticos com foco...
Security Report | Mercado

Boldon James lança solução de classificação de dados

OWA Classifier estende o suporte de classificação de dados do Outlook para o Microsoft Office 365