2017 será o ano de ataques via IoT e extorsões por e-mails empresariais

Próximo ano trará ciberataques mais amplos e profundos; criminosos contarão com diferentes táticas para arquitetar novos golpes inseridos em um cenário tecnológico que está em plena transformação

Compartilhar:

O próximo ano trará ataques muito mais amplos e profundos. Visando lucrar cada vez mais, os cibercriminosos contarão com diferentes táticas para arquitetar novos golpes inseridos em um cenário tecnológico em plena transformação. As previsões são do relatório anual de previsões de segurança da Trend Micro, “The Next Tier – 8 Security Predictions for 2017”.

 

“Em 2017, a indústria de segurança cibernética vai aterrissar em um território completamente novo, tendo em vista que o cenário de ameaças digitais de 2016 abriu novas portas que poderão ser exploradas para uma série de ataques. O aumento de casos de ransomware em dispositivos móveis e a propaganda cibernética influenciando a opinião pública também estarão presentes”, afirma Raimund Genes, diretor de Tecnologia da Trend Micro.

 

Em 2016, houve um grande aumento de ataques em softwares: foram mapeadas 46 vulnerabilidades da Apple, 96 bugs da Adobe e 69 brechas afetando a Microsoft. Provavelmente em 2017, essas ameaças irão persistir por meio do ataque de Exploit Kits.

 

Ransomware

 

Apesar dos ransomware terem tido um aumento exponencial em 2016, o crescimento deste tipo de ataque está deixando de ser sustentável. Sendo assim, os atacantes vão encontrar novas formas de usar as famílias existentes de malware, diversificando plataformas e alvos.

 

A Internet das Coisas também abrirá novas portas, dando aos criminosos superfícies extras de ataque, e as mudanças nos softwares poderão levar os criminosos a encontrar diferentes tipos de falhas.

 

De acordo com o estudo, os ataques se tornarão mais profundos e amplos, tendo como alvo, usuários de dispositivos móveis, terminais nondesktop e sistemas de ponto de venda (PoS). A Trend Micro estima um crescimento de 25% no número de novas famílias de ransomware em 2017, o equivalente a quinze novas famílias descobertas por mês.

 

DDoS via IoT

 

A Internet das Coisas (IoT) e a Internet das Coisas na Indústria (IoTI) irão desempenhar um papel de maior destaque nos ataques direcionados em 2017. Com o crescente uso de dispositivos móveis, a tendência é o aumento da exploração de vulnerabilidades nos sistemas de segurança das empresas e também em ambientes industriais, representando ameaças para as organizações.

 

Webcams, roteadores, sistemas de transporte público, ar-condicionado, aquecedores domésticos, carros conectados à Internet: todos estes sistemas sofreram ataques remotos de cibercriminosos no ano de 2016. É previsto uma grande possibilidade de ataques massivos DDoS em 2017 por meio da IoT.

 

Da mesma forma, a migração para a Internet das Coisas Industriais mostra uma diversidade no cenário de ataques. Conhecido como BlackEnergy – cavalo de Troia projetado para lançar ataques de negação de serviço – existe uma grande chance de grupos de espionagem se aproveitarem de empresas distribuidoras de energia, visando o roubo de dados bancários.

 

O aumento significativo no número de vulnerabilidades do sistema SCADA (30% do número total de vulnerabilidades encontradas pela TippingPoint em 2016), irão introduzir perigos e riscos sem precedentes para organizações e consumidores.

 

BEC

 

O Comprometimento de E-mails Corporativos (BEC) e o Comprometimento de Processos Corporativos (BPC) continuarão a crescer, tendo em vista que são uma forma eficaz e relativamente simples de extorsão, levando um funcionário desprevenido a transferir dinheiro para a conta de um criminoso, podendo render até a 140 mil dólares.

 

De forma alternativa, hackear diretamente um sistema de transação financeira, apesar de ser mais trabalhoso, pode render muito mais para os cibercriminosos – chegando até a US$ 81 milhões.

 

Executivos C-levels, como CEO’s, serão o foco mais atrativo do ataque. O golpe é fácil e rentável, não exigindo tanto em termos de infra-estrutura. Em dois anos, a perda total estimada por meio do golpe BEC foi de US $ 3 bilhões. Baseado em pesquisas da Trend Micro, atacantes foram capazes de extorquir US$ 75 milhões em apenas seis meses.

 

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Destaques

ATUALIZADO: Linha do tempo destaca ataques mais recentes

Painel de incidentes foi atualizado com os casos envolvendo a Polícia Federal, a Toyota Brasil, o Sistema de Administração Financeira...
Security Report | Destaques

Novos highlights da RSA: Da Soberania à solidariedade Digital

Fernando Galdino, diretor de Portfólio & Estratégia da SEK, fala à Security Report sobre os pontos mais importantes debatidos na...
Security Report | Destaques

CISOs buscam ocupar novos espaços na empresa

Já é demanda antiga do setor de Cyber alcançar um grau de relevância maior nas organizações, mas agora, com o...
Security Report | Destaques

Polícia abre investigação contra esquema de golpes cibernéticos

A operação se deu essa semana na cidade de Imperatriz, no Maranhão, segundo informou nota divulgada pela corporação. As primeiras...