Pandemia de phishing: Brasil está no top 10 de ataques em 2020

Pesquisadores da Check Point apontam que 90% dos ataques dessa natureza acontecem por e-mail e tema como COVID-19 segue sendo isca para atrair usuários

Compartilhar:

O ano de 2020 não ficará marcado só pela pandemia do novo coronavírus. O número de ataques envolvendo phishing – técnica que ilude o usuário fazendo com que ele clique em um link malicioso – cresceu neste ano.

 

As notícias sobre o Covid-19, seja para prevenir a doença, possíveis tratamentos ou mesmo informações sobre a doença foram usados como isca para atrair os usuários. E o Brasil está no top 10 de países mais afetados por essa pandemia cibernética.

 

De acordo com levantamento feito pela Check Point, 90% dos ataques bem-sucedidos acontecem via e-mail. Para explorar essas falhas humanas, as notícias sobre o Covid-19 foram um prato cheio.

 

Durante evento virtual Check Point <SECURE> Brasil, realizado na última quarta-feira (19), Gianmarco Daitx, especialista de Prevenção a Fraudes da companhia, mostrou que cibercriminosos exploram o lado psicológico das vítimas. O isolamento deixou as pessoas mais frágeis e suscetíveis a tristeza, depressão, ansiedade e outros aspectos psicológicos.

 

“Essa fragilidade facilita os ataques por meio do phsishing. Não adianta investir apenas em tecnologia e aparato técnico, os ataques sempre têm um lado humano”, pontua o especialista.

 

Segurança como habilitador de negócio

 

Se, por um lado, a pandemia acelerou os ciberataques, por outro, alavancou as estratégias de transformação digital. “Muitas empresas abraçaram o trabalho remoto. E as companhias brasileiras parecem mais dispostas a correr risco do que as americanas – 30% das empresas se diziam não estar preparadas para esse cenário e hoje apenas 2% mantém essa opinião”, acrescenta Luiz Monteiro, analista sênior da IDC, que também participou do Check Point <SECURE> Brasil.

 

Com o avanço dos ataques virtuais, as organizações enxergarem o potencial da segurança em TI como habilitadora de negócios – apenas 9% dos gestores de tecnologia viam o segmento de segurança como fomentador de novos negócios. Isso mudou e a SI vem conquistando seu espaço.

 

Para manter a continuidade de negócio e tornar os ambientes mais seguros, mesmo diante de cenários adversos como a pandemia, Gianmarco Daitx destaca que “uma das principais medidas é o controle do acesso às aplicações, evitando o roubo de credenciais a fim de prevenir a perda de dados”.

 

Monteiro explica que todas essas mudanças devem gerar mais faturamento para provedores de serviço e de soluções em VPN e NAC – “Muitas empresas vão focar no acesso remoto para permitir o trabalho à distância”.

 

Por outro lado, Monteiro ressalta que as empresas tentarão enxugar custos por conta da pandemia: “38% dos gestores de TI veem cenário mais competitivo e precisarão lutar por mais eficiência financeira e tentarão reduzir custos”, conclui o analista.

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Destaques

Toyota Brasil apura possível vazamento de documentos internos

Desde o último fim de semana, grupos de threat intel presentes na Dark Web apontaram que a gangue de ransomware...
Security Report | Destaques

Soft skills são próximos passos na evolução da confiança em Cyber, avaliam CISOs

Pesquisa da consultoria Kroll aponta que os gestores corporativos confiam integralmente nas pessoas de Segurança para responder aos riscos Cibernéticos....
Security Report | Destaques

Insegurança cibernética e IA são destaques do Security Leaders em BH

O Congresso será realizado no dia 23 deste mês com discussões pautadas na imaturidade em Cyber Security e o quanto...
Security Report | Destaques

Polícia Civil do DF prende suspeitos de roubar 76 milhões de senhas pessoais e governamentais

De acordo com a corporação, os hackers chegaram a incluir todas as credenciais comprometidas em um banco de dados, visando...