Congresso dos EUA inicia investigação sobre ciberataques

Suposta intervenção de hackers russos na campanha eleitoral norte-americana será verificada; depoimentos sobre ameaças cibernéticas ocorrem uma semana após 35 russos suspeitos de espionagem serem expulsos do território

Compartilhar:

Autoridades de inteligência dos Estados Unidos vão testemunhar no Congresso nesta quinta-feira sobre os supostos ciberataques da Rússia durante a campanha eleitoral de 2016, mesmo após o presidente eleito Donald Trump ter questionado as descobertas de agências de inteligência de que Moscou orquestrou os ataques.

 

As audiências acontecem um dia antes de Trump ser oficialmente informado por chefes de agências de inteligência sobre os ataques hackers que afetaram o Partido Democrata, cuja candidata Hillary Clinton foi derrotada por Trump na eleição presidencial.

 

Trump arrisca entrar em conflito sobre esta questão tanto com democratas quanto com republicanos no Congresso, muitos dos quais desconfiam de Moscou e não apoiam os elogios do empresário nova-iorquino ao presidente russo, Vladmir Putin, assim como seus esforços para superar as rixas entre os EUA e a Rússia.

 

O diretor de Inteligência Nacional, James Clapper, o diretor da Agência Nacional de Segurança, Mike Rogers, e o subsecretário de Defesa para Inteligência, Marcel Lettre, comparecerão perante o Comitê das Forças Armadas do Senado, encabeçado pelo republicano John McCain, um duro crítico de Putin.

 

Os depoimentos sobre ameaças cibernéticas aos EUA acontecem uma semana após o presidente Barack Obama ter ordenado a expulsão de território norte-americano de 35 russos suspeitos de espionagem e da imposição de sanções contra duas agências de inteligência russas por conta de seu alegado envolvimento no ciberataque contra grupos políticos norte-americanos durante a campanha presidencial de 2016.

 

Agências de inteligência dos EUA dizem que a Rússia esteve por trás dos ciberataques a organizações e operadores do Partido Democrata antes da eleição presidencial, uma conclusão apoiada por diversas empresas de segurança cibernética. Moscou nega as acusações.

 

A inteligência norte-americana também disse que os ciberataques russos buscaram ajudar Trump a derrotar a democrata Hillary nas eleições de 8 de novembro. Diversos republicanos reconhecem que houve ação de hackers russos durante a eleição, mas não conectam os ataques a um esforço para ajudar Trump.

 

Documentos roubados do Comitê Nacional do Partido Democrata (DNC) e de John Podesta, gerente de campanha de Hillary, foram vazados para a imprensa antes da eleição, constrangendo a campanha da democrata.

 

Na quarta-feira, Trump disse pelo Twitter: “(O fundador do WikiLeaks) Julian Assange disse que ‘um rapaz de 14 anos poderia ter hackeado Podesta’ – por que o DNC foi tão descuidado? Também disse que não foram os russos que lhe deram a informação!”

 

Trump e seus assessores acreditam que democratas estejam tentando comprometer a legitimidade de sua vitória eleitoral ao acusar autoridades russas de ajudá-lo.

 

* Com informações da Agência Reuters

 

Destaques

Colunas & Blogs

Conteúdos Relacionados

Security Report | Mercado

Hotéis na mira do vazamento de dados

Pesquisa da Symantec revela que sites podem vazar suas informações de reserva, permitindo que outras pessoas vejam os dados pessoais...
Security Report | Mercado

Tendências de segurança em Sistemas de Controle Industriais

Análise categoriza e classifica os riscos mais recorrentes após observação empírica; menos um terço dos riscos críticos e de alta...
Security Report | Mercado

Minsait amplia oferta de inteligência e segurança de redes com a Allot

Aliança entre as empresas tem como foco suprir a demanda do mercado de telecom brasileiro por dados analíticos com foco...
Security Report | Mercado

Boldon James lança solução de classificação de dados

OWA Classifier estende o suporte de classificação de dados do Outlook para o Microsoft Office 365